# 3º Momento

13:36

O nosso coração cresce como uma árvore dentro de nós. Os sentimentos são os frutos que vêm rompendo da junção do carinho e dos momentos. E o melhor é dá-los a provar, dar-lhes utilidade antes que sejam devorados por intrusos ou caiam e apodreçam no chão...

You Might Also Like

60 comentários

  1. (aparte)Perguntava-me agora mesmo quando é que voltavas a escrever mais alguma coisa xD

    Nós devemos partilhar os "frutos" bons. Porque o que é bom deve ser partilhado para saber ainda melhor. Em relação aos que caiem e apodrecem, deixa-os lá estar. Há frutos que nunca devem ser provados, nunca devem ser colhidos.

    Continua com o bom trabalho =)
    Um beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Olá, fico feliz por ter sido resolvida esta confusão da minha parte, mais uma vez desculpa!

    falando agr deste post em particular, gostei imenso da parte em que te referes ao dar os frutos a provar em especial quando focas antes que sejam devorados por intrusos, excelente conotação/comparação entre uma arvore de fruto e o Amor

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Olá Paulo,

    Até parece, que combinámos, a hora da postagem, mas foi mera coincidência, como ambos sabemos.
    O teu momento, o terceiro, é tão saboroso, tão intimista!
    Apetece pegar, saborear, e depois trincar, tu, eu, nós, para não passar a validade. Há "coisas", que nunca passam de moda, de validade, isto é, nunca apodrecem.

    Tens as mãos disponíveis? E o coração? Desculpa a segunda pergunta, sem sentido, porque aqui, o coração não é preciso, para nada, porque não "comemos" com o coração Então, vamos a isso?
    Bom apetite! Tão sôfregos!

    O dia esteve mais morno e tranquilo.
    "Embrulhei-me" nele, em ti, em nós e fechei os olhos, por instantes.
    E vi um abraço a correr para mim.
    Para mim, de ti, para nós, assim, calados, sem voz.

    ResponderEliminar
  4. Eu também já vi as novas edições. Acho um bocado "pães sem sal", não sei mas gosto mais das antigas capas e assim. Eu li os 7 livros (aliás, tenho-os) e o meu preferido continua a ser o 2º. Dos filmes, tirando a certa desilusão que foi com o 4º e o certo exagero de efeitos especiais do último, até gostei. E sim, seremos Potterheads para sempre. E acredita, cada vez mais me sinto feliz por saber que tive tantos anos cheios de magia. Não podemos deixar que esta magia se perca, não é Paulo? xD

    ResponderEliminar
  5. Adorei o teu post! Adorei o modo como puseste as coisas!

    ResponderEliminar
  6. ñ podia gostar mais deste post, é mesmo bonito e sentido*

    ResponderEliminar
  7. Foi bom eu ter lido esse post agora, embora a minha árvore aparentemente não têm dado frutos. Ou melhor, eu acho que eles caíram, mesmo, e, embora eu venha tentado me distrair, olhar pro lado, bate um vazio em alguma brecha. Quero, e muito que minha árvore volte a dar frutos...

    ResponderEliminar
  8. tô gostando desses momentos, tão me fazendo grande sentido.

    ResponderEliminar
  9. uma bela comparação..
    eu fico aqui pensando nas diferentes formas de poetar sobre o amor..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  10. PAULO,

    Quando o nosso coração cresce como uma árvore dentro de nós, de uma forma, talvez não esperada, nunca haverá intrusos, ervas daninhas.
    Eles, os intrusos, podem existir, mas, depois, tem de voltar à sua condição primitiva, básica.

    NÓS NÃO PERMITIREMOS. ELES, NEM SEQUER TERÃO FRUTA PODRE, PORQUE NÃO DEMOS TEMPO A ISSO, E ALÉM DISSO, TUDO O QUE SE DESEJA COMER, VAI-SE COMENDO, NÂO RESTAM SOBRAS, E FICAMOS, AINDA, COM FOME.

    Uma maçã para trincares, semelhante à que Eva deu a Adão?
    Não trinques, vivemos no século XXI.

    ResponderEliminar
  11. O melhor sem dúvida é saborear cada um dos frutos que a vida nos dá sem pensar que um dia perderão sabor.

    Aproveita bem todos esses doces momentos!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Olha gostei muito disso,
    o meu já foi devorado por diversas vezes, mas sempre volta ao normal

    ResponderEliminar
  13. voltei, só pra ouvir a música..
    é aqui o lugar dela.

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  14. Olá"""!!
    Vim lhe visitar, deixar meu abraço e colocar meu bloco na rua. E dizer-lhe que sua "Escola" é tudo de bom.Nota 10 em todos os quesitos, 10 em "harmonia", 10 em "alegorias", 10 em "adereços" e principalmente 10 pelo "conjunto". Que sua "evolução" nunca se dissipe e que você seja sempre o campeão desse samba-enredo chamado "Vida".Nessa folia, sou arlequim de sua paz e de sua alegria em viver.Conte comigo para convencer os jurados, de que sua "Escola"(blog) é NOTA DEZ em tudo.Bom Descanso!!! Rubi Valente.
    www.valentebrasil.blogspot.com

    ResponderEliminar
  15. Belo momento!

    Não adianta termos sentimentos bons se os deixamos guardados ou perdidos em algum canto inútil.

    beijos
    :)

    ResponderEliminar
  16. Sabes uma coisa Pensador?
    Quando Maria for grande, Maria vai querer escrever como Tu.
    Não perguntes porquê...simples, uma frase feita "há razões que a própria razão desconhece...", diferença porém. Eu sei o porquê.
    Porque escreves e sentes como muito poucos....

    É uma honra ler as tuas palavras, e muita das vezes, passo-as para um caderno preto que anda sempre comigo, para quando me dá a vontade de "rabiscar". Mas claro, copio e coloco Paulo Silva - Pensador.

    Beijo grande n´oteudoceolhar.

    ResponderEliminar
  17. Adorei este pequeno 3º momento +.+

    Não te esqueças, os detalhes além de serem o mais importante são aquilo que marca a diferença :)

    ResponderEliminar
  18. Olá "eu pássaro" colibri!

    Sempre assim foi, é, e assim, será. O fruto proibido é o mais apetecido, sem dúvida.
    Morremos para os preconceitos enganadores do mundo, para as regras sociais e a ânsia e o desejo aumentam,tomam conta de nós e preenchem os nossos sentidos, TODOS.
    Perdido e conquistado? Em tão pouco tempo e com tão pouca coisa?
    E não comeste o fruto, nem um bocadinho. Imagimação, a tanto me obrigas!
    Mas, não irá apodrecer. É de qualidade garantida, é produto nacional, quase intocável e bem acondicionado.
    Não vai, nunca foi em Carnavais.

    Conta-me essa sensação, se conseguires, de acordar assim, com umas asas brancas, a te envolverem, acho, que foi mais ou menos isto, que disseste.
    Era uma princesa vestida de branco, seria? Ou uns braços, que desejas?

    Por aqui e por aí o mesmo ambiente. Calma, quietude e silêncio.
    Alguns afazeres profissionais e domésticos.
    Até 4ª feira, não penso sair de casa. Férias. Tempo para ler, escrever e ouvir música.

    Dá-me um abraço (é o nome de uma canção, como sabes). Pode virar pergunta. Pode ter asas, grandes, onde eu, tu, nós, eles e elas se percam e se encontrem.

    ResponderEliminar
  19. Adorei este post !! Vou concerteza seguir o teu blog, que é muitoo bom :)

    ResponderEliminar
  20. Olá, Paulo, tudo bem?
    Peço perdão pela ausência, estive bastante atarefado com os estudos e me dedicando um pouco mais. Quanto a citação acho que primeiramente devo lhe parabenizar. Você possuí uma sensibilidade rica ao escrever, torna-se viciante ler teus escritos.
    Até Breve, Wesley Carlos.
    * http://wscarlos.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  21. Obrigado, é bom saber que concordas :)
    Abraço!

    ResponderEliminar
  22. Paulo,

    Quero rectificar: onde eu escrevi "eu pássaro" deveria estar escrito: "meu pássaro". As aspas tiraram o "m" e perdeu-se o sentido, do que pretendia dizer, escrever.

    Uma noite feliz.
    Amanhã falamos.

    ResponderEliminar
  23. Ruim mesmo é quando a pessoa que prova o fruto guarda-o demais. Esconde-o demais. Deixa-o apodrecer em um canto qualquer.

    Sem oportunidade de ser doce na boca de outro alguem.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  24. Concordo! O melhor é dar os frutos a provar. Mas o medo deixa-os, muitas vezes, apodrecerem. Lamentável...

    ResponderEliminar
  25. Muitas vezes não os provar sabe melhor, só para posteriormente não provarmos nenhum tipo de dor

    ResponderEliminar
  26. A intensidade pode ser um detalhe :s

    ResponderEliminar
  27. Um modo que se não for um todo pode ser um detalhe .

    ResponderEliminar
  28. Até posso concordar com o que dizes sobre a intensidade ser sempre um todo, mas o detalhe, um detalhe não é uma maneira própria ou peculiar. Um detalhe é o que marca a diferença, é o que te faz ver que algo é diferente de tudo o resto, aquele detalhe chama a tua atenção, aquele detalhe, puxa por ti, faz-te sorrir, sonhar, querer e desejar ver uma vez mais aquele detalhe que marcou a diferença naquele momento, naquele instante em que o teu coração parou de tão surpreso que ficou.. aquele detalhe que te prendeu...

    ResponderEliminar
  29. Ahahah, eu só me sinto assim em ralação a uma xD

    ResponderEliminar
  30. ahaha concordo plenamente :))

    ResponderEliminar
  31. Boa noite "Pássaro de Luz",

    Há "Os pássaros do sul" da Mafalda Veiga, mas, são e não são desses, que quero falar.
    Falar ou filosofar? Com intensidade ou com pormenores(não devemos dizer detalhes, é um estrangeirismo, vem do Francês, détail)?
    Quero falar, mas o que é que eu te quero, sempre, dizer?
    Bom... a idade não ajuda, está mais que visto. Qualquer dia passo a escrever XD) :D), suponho, que isto sejam incógnitas de equações.
    Depois, por favor, explica-me, como se eu fosse Burra e L....
    Abraços com asas, mas isso é do melhor. Já pensaste? Podemos até voar, tu para aqui e para ali, eu para aí e para aqui.
    Tenho medo de voar. Fico, em estado de choque, quando tenho de viajar de avião.
    Ah! Mas, tudo o que rasteja, ou melhor, os animais, fazem-me tanta impressão. Era incapaz de ter em casa, um animal desses.
    Gatos e burros podem ser às dúzias.
    Mas, num tango, a mulher a rastejar é uma obra de arte. É submissão com encanto, sedução e entrega (penso, que já estou a fazer poesia no meu blogue).
    A nossa linguagem, a nossa maneira de falar, minha, tua, é mesmo nossa. Pensaste, que fosse um preciosismo meu, de mim para ti. Não, as aspas comeram o "m", e deixaste de ser meu, no texto, na escrita, obviamente. Na amizade, somos um do outro. É perene, como as folhas de algumas árvores.
    Pois, a galinha da minha vizinha é sempre melhor, que a minha.
    Não gosto de andar a provar vários frutos. Quando gosto de um, gosto mesmo e o sabor é, sempre, uma novidade, mesmo sendo, sempre, o mesmo, que me parece diferente.
    Mas os pássaros, eu entendo, sentem necessidade, de bicar, hoje aqui, amanhã ali. Mas, um dia encontram uma andorinha inteligente, de olhar atento, sensato, e de asas leves e fortes e lá vai ele, o pássaro. E vai, voluntariamente. Mas, se o pássaro for inteligente deve conhecer os céus, por onde vai passar. Comprar gato por lebre, NÃO!

    Pois é, agora é Carnaval, podemos pintar as mãos e pôr máscaras, a brincar.
    O que é que tu queres ser? Eu quero ser CINDERELA.
    Tinta do céu? É vendável? Olha, não sabia. O que eu aprendo contigo!!!!!!!!!!!!!
    E as mãos? Sempre dadas? E se mesmo assim nos perdermos, nos perdermos na multidão, nos sentidos e nos sentires?
    Tenho medo. Só conheço "O AMOR DE PERDIÇÃO" de Camilo Castelo Branco.
    Conheces mais?

    Por aqui tudo em paz e com o silêncio a roçar-me o ouvido.
    Já pus a máscara, agora espero, que o Príncipe me dê um beijo e eu acorde.
    Oh! Que Conto de Fadas!

    ResponderEliminar
  32. Ó, já tinha saudades de cá passar e a tua musica fazer flutuar os meus pensamentos, fazendo com que as tuas letras aquecessem o meu coração!

    Antes de mais quero te dizer que não precisas de agradecer, quando comento, comento com todo o coração e mereces! (:

    E em relação ao que disseste sobre o meu texto, nem sei como te agradecer!
    ... bem, isso é bom ou mau? (:
    Eu sei, as vezes imaginar faz bem, e nao prender...espero permitir isso ao leitor... (:
    MUITO OBRIGADA, SIM? ** Por tudo. Ora nem mais, as vezes é aquele dia, que torna os outros dias o dia.*

    Sobre este teu post, as vezes é tão difícil dar esses frutos... |: mas linda a tua frase*

    Um grande beijinho, para ti também. *

    ResponderEliminar
  33. Oi,
    Criei uma página de fã no facebook para todos aqueles que curtem o blog “Vê se ri um pouco”. Para seguir bastar clicar no link “Curtir” no gadget da página de fã que está lá no blog, o gadget intitula-se “Face”.

    Beijos
    Espero que goste :)

    ResponderEliminar
  34. Meu Querido Paulo,

    Foi delicioso e "humorístico" o teu comentário, as nossas conversas.
    Ri, com há muito tempo não acontecia.
    Muito bem, então de PRÍNCIPE?
    Claro, assenta-te, que "nem uma luva".
    A CINDERELA, ainda dorme.
    Vamos esperar o desfecho, mas com a tua capa, não se vai ver nada.
    Vais "embrulhá-la"? Pronto, e depois sobem para o cavalo, primeiro ela, depois tu, e pronto, não sabemos o que vai acontecer.
    Tens ideia? Se calhar vão comer bolo de limão. Desenfastia, da doçura, da ternura, minha, tua, nossa, deles.
    Gosto muito de ti e do bolo, caso me oferecesses uma fatiazinha.

    Até amanhã, com um abraço de luar, que felizmente há, e muito.

    ResponderEliminar
  35. Belo texto...Espectacular....
    Um abraço

    ResponderEliminar
  36. E como vamos saber qual será a hora certa para não prová-los verdes ainda? Beijo

    ResponderEliminar
  37. adorei, parabéns pelo blog, já agora aproveito para desejar bom Carnaval, abraço

    ResponderEliminar
  38. Subscrevo este seu texto. Um bj.Irene

    ResponderEliminar
  39. Paulo,

    Prová-la, saboreá-la? Só no Carnaval?
    Ah! Pois, porque é Carnaval ninguém leva a mal. Depois, vem a Quaresma, e é tempo de reflexão, de abstinência. Depois vem a Páscoa, ALELUIA, já podes saboreá-la, a palavra. Perdi o sujeito da frase. Entendeste?
    Eu gosto de bolos, de saborear, não sou muito de andar a provar.
    Gosto de croissants, sabem-me a amour ou amants, até rima.
    Sim, cavalo é prosaico, plebeu, servo.
    Carruagem, sugiro.
    Estou a tentar desembaraçar-me das leves, mas muitas, serpentinas do teu abraço.
    Não estou a conseguir.

    Bom, rendo-me, fico assim, "embrulhada" em serpentinas de abraços multicolores.

    ResponderEliminar
  40. adorei a tua doce comparação, Paulo :)

    ResponderEliminar
  41. Mas, por vezes, esses frutos nascem sem sabor e crescem no vazio, porque na árvore onde cresceram, não puderam ser alimentados

    ResponderEliminar
  42. Paulo,

    Eu sabia, tinha quase a certeza, que a carruagem te iria agradar.
    Claro, abrir a porta, dar-lhe a mão e fazê-la subir. É de bom tom é elegante, real, nobre. Estou a falar da Cinderela.
    Croissant, como te disse, rima com amant, e portanto é "casa cheia", com "água na boca", como o cão de Pavlov, fico eu.
    Romances em todos os séculos ficaram bem, existem, acontecem, e depois são sempre amores impossíveis, contrariados por família e sociedade, que delírio, que atracção fatal!
    Já "me passei", já estou a divagar.
    Ah! Mas, aceito o romance, que disparate, quero eu dizer, o filme.
    Escolhemos os dois, é melhor, assim.
    Afinal, temos de gostar os dois, porque relações unívocas só na Matemática, acho eu.

    Uma excelente noite de cinema, com olhos de ver, bem abertos, claro.

    No escurinho do cinema... é uma canção bem antiga, mas é, sempre, actual.

    Abraço com luz.

    ResponderEliminar
  43. obg pelo coméntário, obg msm *

    ResponderEliminar
  44. De nada meu querido!
    Nunca deixes que esses frutos que crescem na tua arvore caiam e apodreçam, se cairem alguma vez, apanha-os novamente e cultiva uma nova alrvore com eles*

    Beijinho forte*
    Pensando com arte.

    ResponderEliminar
  45. que comparação tão sentida e sincera, paulo.
    sigo*

    ResponderEliminar
  46. Lendo versos com todos os frutos.
    Saboroso texto, rapaz.

    Visitarei mais vezes.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  47. Paulo,

    Pois...os amores contrariados, não aceites pela sociedade, são para sempre, porque são verdadeiros.
    Mas é preciso terem ambos forças, não físicas, mas psicológicas.
    Os outros, os que levam 200 convidados, véu e grinalda, e fanfarrra, passado algum tempo terminam.

    Cinema, pipocas, claro, está na moda.
    Bom, mas se têm pouco açúcar, não fazem mal.
    Beijos? Palavras? Abraços? Referes-te àquilo, que os protagonistas do filme fazem, sim, óbvio, outra coisa não poderia ser.
    E se fosse, era a vontade e a sinceridade, que mandavam em nós, em ti, em mim, neles, nos que, nem sequer olham, porque estão, também a viver os seus momentos.

    QUE OS VIVAMOS, EM CONSCIÊNCIA!

    Bom, e depois de beijos, palavras, abraços, o que me resta?
    Olha, aceitas a minha mão?

    A luz, a da lua, bate-me no olhar, no meu, que está virado para sul.

    ResponderEliminar
  48. Gosto deste momentos breves onde dizes tudo em tao pouco... ABRAÇO-TE. Assim_________________________

    ResponderEliminar
  49. o Jota gostou, excelente narrativa.

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *