Bordo de Mim 7/10

02:55

Foi uma noite em que estranhei os lençóis e o sono não se pegou a mim. Este sono fugiu aos meus pensamentos barulhentos mas acabei por me acomodar com os olhos no escuro. Encerrei-os e o dia estava acabado. Rapidamente o outro dia chegou com um calor matinal. Infelizmente o dia não começara da melhor maneira mas esse é um assunto mais pessoal que guardarei visto não me pertencer só a mim. E o segredo prevalece na linha que cose os meus lábios. O ar da montanha apoderou-se das minhas narinas e a calçada por onde tudo treme adaptou-se à velocidade dos meus passos. O cheiro vindo da cozinha de casa bailou à minha volta. Entre assuntos de política e azeite derramado em cima da nova toalha surgiu o problema das manifestações que era emitido em todos os canais. Irritante e previsível, mas isso não me iria incomodar. No entanto a tarde andou calmamente até à hora do jantar e depois enterrei os sentimentos que vieram bater-me ao coração nos filmes de comédia. Simplesmente não há tempo que faça esquecer. Só há tempo que faça doer mais a ausência.


You Might Also Like

26 comentários

  1. Também gostei quando a vi, adoro o Porto

    ResponderEliminar
  2. mas eu ainda sonho que um dia o vou concretizar :p
    faço um livro em mim ? como assim ? :o

    ResponderEliminar
  3. " Simplesmente não há tempo que faça esquecer. Só há tempo que faça doer mais a ausência. " não podia concordar mais..

    ResponderEliminar
  4. adorei paulo, escreves sempre tao bem *

    ResponderEliminar
  5. mas o que eu queria dizer é que devias fazer um livro com os textos que escreves +.+

    ResponderEliminar
  6. porque achas que seria insuficiente ? se estás a falar em relação à quantidade de textos serem pequenos digo-te que até podes não ter textos para um livro daqueles muito grossos sabes ? mas o que é que isso importa se fizeres um livro pequeno mas com o contúdo ENORME ?

    ResponderEliminar
  7. ai como tens razão Paulo lindo...
    gostei tanto do post, mas isso é habitual gosto tanto de tudo o que escreves! e quando nós estamos habituados á presença diária dessa pessoa no nosso quotidiano é tão complicado, como te compreendo :/
    muita força e vais ver que ultrapassas quando menos esperares*

    ResponderEliminar
  8. O tempo estiga as dores. Mais há de adormecer também. Suas palavras tão bem escritas. Parabéns, um abraço gigante.

    ResponderEliminar
  9. Concordo com você Paulo. Alguns falam que o tempo cura tudo. Só que ele demora demais. Ontem eu fui no circo, pra ver se conseguia sorrir, ou esquecer nem que seja por um instante as dores da vida. E quando sorrir, ao mesmo tempo não era algo completo, era meio desfaçado o demasiado sofrimento que embriaga meu coração.

    Melhoras pra nós.
    Adorei quando me chamaste de anjo.
    Beijo na alma. Ótimo fim de semana.

    ResponderEliminar
  10. sim, eu concordo contigo. mas existem aqueles diários e dava um bom diário, pelo menos é a minha opinião.

    ResponderEliminar
  11. "Simplesmente não há tempo que faça esquecer. Só há tempo que faça doer mais a ausência" Esta frase diz mesmo mas mesmo tudo. Mais uma vez um grande texto Paulo, Um Abraço :)

    ResponderEliminar
  12. O tempo não faz esquecer, o jeito é apela pra memória!

    :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Gostei imenso, a última frase está muito bem conseguida :) *

    ResponderEliminar
  14. Tão bonito o teu texto, Paulo, unindo as grandes dores aos pequenos acontecimentos cotidianos...Gostei tanto!

    Há uma canção aqui que diz assim :

    "Nada que te diz respeito eu consigo jogar fora
    E o tempo que era pra levar traz existir
    Carrego vivas na lembrança marcas de um passado que não vão embora..."


    É por aí.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. O tempo aumenta a saudade, Cicatriza as feridas, mas não as cura. Quando a saudade chega elas sangram.
    Bjos achocolatados

    ResponderEliminar
  16. Beautiful with a touch of sadness.

    ResponderEliminar
  17. momentos assim sao tão bons *.*

    ResponderEliminar
  18. nunca esqueces, começas é a perceber que aquele tempo foi tão significante como todos os outros.

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *