De que cor?

10:32

Gostaria de saber de que cor são as tuas asas. Sei que elas ai estão presentes no teu corpo; também sei que não as consigo ver mas poderias-me dizer a cor delas? Não sei se voas como os anjos naturais de sonhos de encantar ou se simplesmente as usas para encaminhar os teus próximos. Incertezas me rodeiam e me baralham o olhar. Posso coçar a cabeça e palpitar que sejam pretas devido ao teu silêncio perturbador. Não me queres dizer que sobrevoas a minha mente e sopras à minha pele com turbulentos ditos de amor? Envolver-me-às de negro e me esconderás da noite fria ou apenas o negro serve para me confundir os pensamentos inalterados? Respostas são precisas. Mas a outra probabilidade também é explorada. Serão asas de algodão? Grandes e pertencentes ao ser protector de pensamentos sentimentais? Penso que serão asas brancas da pureza da manhã de nevoeiro e do cheiro a alfazema que o avô costuma trazer na camisola de lã. Ou serão asas encarnadas da fúria da tarde ao esconder a estrada com violentos raios solares? Encarnadas cor de lábios desejáveis por um beijo no meio das folhas de Outono. 
Responder-me-às se continuar a persistir? Responder-me-às se te continuar a presidir no meu peito e te permitir que o insultes, o ignores e o ames ao mesmo tempo? (...) 
Sei que estás comigo por isso esquece os meus ditos ignorantes. São apenas palpitações do coração. Apenas caminha, percorre estas ruas comigo. E não precisas de me mostrar as asas pois a partir do momento em que caminhei pelos teus olhos não parei sequer de voar. 


You Might Also Like

43 comentários

  1. Texto lindo, como sempre.
    Foste mesmo um querido, adorei o que disseste.

    ResponderEliminar
  2. o amor também me faz voar... amores certos, amores perdidos ... às vezes o voo é alto, às vezes bem rasteiro... ás vezes, fujo... às vezes, no entanto, voo com o desejo ser encontrada... no final, agradeço o simples voo, porque simplesmente, vivo.

    ResponderEliminar
  3. Gostei tanto deste texto, Paulo. Lindo, como todos os outros!! (:

    ResponderEliminar
  4. Gostei da ideia do texto. Já viste As Asas do Desejo, um filme de Wim Wenders? Vais adorar. Abraço, Nô

    ResponderEliminar
  5. muito sinceramente, adorei este post *.*

    ResponderEliminar
  6. Lindíssimo ,como sempre.As veses me pergunto,onde os poetas buscam tanta inspiração? Abraços.

    ResponderEliminar
  7. Lindo, lindo, lindo, Paulo!
    O texto maravilhoso, a ilustração magnífica, a música tão compatível com a emoção que o conjunto me passa, puseram, também em mim, asas...
    Estou flutuando!
    Grata pelo momento de prazer ímpar...
    Abraço!

    ResponderEliminar
  8. E de que cor é a tua alma de poeta, Paulo?***

    ResponderEliminar
  9. Este seu espaço é encantador e seus textos deslumbrantes,bjos.

    ResponderEliminar
  10. Sim, obrigada :) as saudades irão passar, ele há-de voltar...
    O teu post está muito bonito :) muito bonito mesmo!

    ResponderEliminar
  11. Estive tentada a dizer apenas que gostava,pois para além de uma mistura de sentimentos, foi um dos primeiros verbos que me veio à cabeça. Depois fixei-me na frase: "E não precisas de me mostrar as asas pois a partir do momento em que caminhei pelos teus olhos não parei sequer de voar.",e aí encontrei a mesma definição que dou ao amor...

    ResponderEliminar
  12. Este teu texto faz-me lembrar anime e o filme do Constantine xD Mas gostei imenso das comparações que fizes-te com as asas adaptadas a cada cor . Ainda bem que já dá para comentar ! Parecia e tenho a certeza, que dava a entender que estava a ser irritante x)

    ResponderEliminar
  13. Gostei muito *-*
    é verdade, livros novos, novas amizades :)

    ResponderEliminar
  14. As asas são da cor da felicidade, e a felicidade é transparente, não se vê :)

    ResponderEliminar
  15. talvez essa cor varie, talvez se mantenha sempre a mesma, mas no fundo se não souberes podes sempre imaginá-las da cor que quiseres e sempre podes sonhar um pouco..dizem que é bom sonhar, talvez seja essa a essência de tudo isto.
    E não é preciso dizer que gostei =P

    ResponderEliminar
  16. escreves tão bem, paulo. adorei o post :)

    ResponderEliminar
  17. :) (diz muito mais do que todas as minhas palavras juntas!!!)

    ResponderEliminar
  18. Pois não precisamos de ver, mas somente sentir!

    Kiss

    ResponderEliminar
  19. por vezes, simples palavras consolam a dor :)

    ResponderEliminar
  20. Não posso fazer nada. Felicidade é a dois e eu deixei de ser a metade que fazia tudo fazer sentido. Outra já preenche esse espaço... Resta-me silenciar meu coração para diminuir o sofrimento....

    ResponderEliminar
  21. "...a partir do momento em que caminhei pelos teus olhos não parei sequer de voar." diz tudo!

    ResponderEliminar
  22. Nem sempre é amor sincero...

    ResponderEliminar
  23. está mesmo lindo!!
    "Apenas caminha percorre estas ruas comigo." está parte adoro *.*

    ResponderEliminar
  24. E se voares porque as asas são a ti postas. Não as verás, mas com certeza que as sentirás. ;)

    ResponderEliminar
  25. Achei certa piada a este post, por falares em asas, ora asas é o acrónimo do meu nome xD
    Gostei tbm das sensacoes que atribuis.te as asas em relacao as cores
    Muito bom :D

    ResponderEliminar
  26. sim, isso é verdade! mas penso que as tuas são sentidas, não? ~

    ResponderEliminar
  27. absolutamente fantástico, para não variar :)

    ResponderEliminar
  28. eu diria outra palavra que não é convencido, não és modesto . ;P

    ResponderEliminar
  29. obrigada, e estou a seguir o teu também :)

    ResponderEliminar
  30. Gostei mesmo muito, escreves incrivelmente bem (:

    ResponderEliminar
  31. Isso é obvio, mas até esses nos magoam.

    ResponderEliminar
  32. gosto de quê? o:

    - já te disse que adoro as tuas comparações? *-*

    ResponderEliminar
  33. Asas que não têm cor, que não têm cheiro, que não se sentem... asas que nos carregam levemente, por entre os caminhos da felicidade.

    ResponderEliminar
  34. Nossa! *-*
    que perfeito!
    lindo assim.

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *