Esquecida Aldeia, Esquecida Vida

11:01

A chuva ampara-se sobre a calçada de uma aldeia esquecida à beira-mar, Porto Covo, ou outra qualquer onde ninguém dá a sua importância. As nuvens cobrem os céus e cá do cimo da aldeia, junto da igreja, ouvem-se as ondas do mar rebentar contra os rochedos. Furiosas, desejando a tempestade. 

Mas, de certo modo, a tempestade já está presente, as gaivotas pousam delinquentemente em todos os lugares, sujando, danificando, mostrando que esta terra lhes pertence. Os homens, de tão poucos que são, mantêm-se por baixo daquelas asas e deixam-se ser carregados pelos dias, como um rio sendo levado até ao oceano.

Esquecem-se de viver e preocupam-se em demasia com tudo aquilo que têm mas ainda mais com aquilo que, amanhã, poderão não ter. O pão e o vinho é mais suficiente que o agora, o estômago e a saúde é a satisfação que os eleva de dia para dia. Em certos casos escondem-se ao que lhes proporciona sorrisos e alegrias. A idade já lhes pesa e a pequena aldeia piscatória já só encontra tempestades.

Com ventos e agonias lamentam-se das rugas e das más recordações, lastimam não viver mas também não tentam fugir à rotina com medo de falhar. As mãos pouco agarram e os olhos pouco vêm. Os dias são levados com aquela pacata respiração sem emoção. Só resta a dor naquelas casas caiadas de branco de faixas azuis. O som, levemente se apaga e nem o vento toca nas altas palmeiras. É demasiada a calma, demasiado silêncio para aqueles corpos que ainda emanam vida e sonhos. 

Que sejam elevados da cadeira de madeira, que ergam a vontade de viver como quem ergue a cana de pesca e se prepara para apanhar o maior peixe que alguma vez pensara pescar. Que demonstrem saber sorrir e quando a vida se lembrar de trazer tempestades, lembre-nos que as colheitas só crescem com água, que os campos floridos são mais bonitos e que debaixo da chuva também se dança. 

A vida não é uma aldeia debaixo de tempestades até que nos esqueçamos, realmente, de como bom é viver.


You Might Also Like

22 comentários

  1. Que texto bonito. Lembra-me a minha aldeia há uns anos atrás... agora está mais movimentada

    ResponderEliminar
  2. Gosto de Porto Covo, terra desvendada por Rui Veloso :D

    ResponderEliminar
  3. Linda semana!!!!!!!!!! Abraços

    ResponderEliminar
  4. Porto Covo, gosto tanto :)
    Conheces tbm S.Torpes?

    ResponderEliminar
  5. Há locais que vão ficando esquecidos e isso é uma pena, até porque, muitos deles, são donos de encantos ímpares *.*
    Adorei, como sempre!

    r: Muito obrigada <3

    ResponderEliminar
  6. Gosto de ir para a Costa nesta altura. Vou para casa de amigos, para perto da lareira, e assim se passam as horas. Tão bom.

    Ahhh...Está a decorrer no meu berloque a votação do politico mais giro!

    ResponderEliminar

  7. Olá Paulo,

    Em primeiro lugar, obrigada pela visita, que me proporcionou a oportunidade de conhecer o seu espaço.
    Além desta, li também as suas duas crônicas anteriores. Fiquei encantada com a sua escrita.
    O ser humano precisa aprender a valorizar os seus dias, os seus sonhos e a sua vida. São as emoções sentidas e vividas que medem a intensidade da nossa vida.
    "As mãos pouco agarram e os olhos pouco veem". Esta colocação contém segredos da arte de bem viver.
    "E que debaixo da chuva também se dança". Que não nos esqueçamos disso!

    Linda e reflexiva crônica. Adorei ler.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. r: Consigo ser mesmo mázinha :p ahah gostas, gostas!

    ResponderEliminar
  9. Bom texto. Esse texto fez me rever a minha aldeia com poucos habitantes, onde por recantos se encontra os senhores nas esplanadas com o seu belo copo a falar da vida e a contar as suas histórias que passam 'pelas memorias. adoro visitar aldeias.
    Gosto da foto.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Comovente relato, lindo. Ricamente detalhado, minusculamente descrito, uma delicia de leitura, que nos remete as coisas simples, a vida pacata longe das grandes cidades, inalteradas, congelada, com preguiça de passar, de perder a pureza e o encantamento. Abraços.

    ResponderEliminar
  11. Belo texto, como é bom poder voltar aqui e lê com calma, na correria dos estudos precisei me ausentar um pouco dessas leituras que amo.
    Amei o texto, que nós humanos possamos ver mais além de fatos simples do cotidiano, pois esses lapidam nosso futuro melhor do que nossos próprios planos.
    Abraços, muito bom de reler!

    ResponderEliminar
  12. Obrigada pelo comentário.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  13. r: Oh *.* ganhei o dia ao ler o que comentaste. Obrigada <3

    ResponderEliminar
  14. OI PAULO!
    INSPIRAÇÃO DAS MELHORES QUE JÁ TE FORAM DITADAS PELA ALMA, AMIGO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  15. Já estive em Porto Côvo algumas vezes e se há coisa que eu gostaria de ver era aquela aldeia cheia de vida! É um local tão bonito :)

    ResponderEliminar
  16. "Os dias são levados com aquela pacata respiração sem emoção".
    Um excelente texto, gostei imenso.
    Paulo, tem um boa semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  17. Belíssima texto sobre um dos inspiradores locais do meu Alentejo.
    Gostei muito. E da foto, com tanta simplicidade e pacatez, também!
    Obrigada pela visita e comentário no meu blog.
    xx

    ResponderEliminar
  18. Haverá sempre um lugar que represente isso. O sentimento puro da saudade.

    ResponderEliminar
  19. Um texto fantástico e agradável de se ler.

    ResponderEliminar
  20. Viajei até à simplicidade das coisas que tantas vezes se perdem no tempo,mas no entanto, nao se perdem com o tempo... Lindo texto.

    ResponderEliminar
  21. Quer ganhar dinheiro com seu blog?
    Saiba como em: www.homemoney.com.br

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *