E Depois de Tudo...

07:46

Por vezes as discussões eram muitas, o seu tom de voz ultrapassava sempre o teu, vias a sua cara formar-se numa máscara de raiva e stresse. As rugas na sua testa, os olhos semicerrados de desconfiança. Outras vezes arrumava a tua confusão e perdia-te objetos que teimas em guardar. Às vezes atrasava-se para chegar ao café, ou ao banco de jardim onde ficavam horas sem falar, apenas a ler as palavras de um livro rabiscado e as emoções um do outro. « Não tens relógio? » Perguntavas. E a única resposta era um esboço de um sorriso nos lábios. Por vezes os ciúmes tomavam conta de ti porque não sabias do seu paradeiro, ou com quem estava; ou então até sabias e ai o motivo ainda era maior. E às vezes esqueciam-se um do outro, adormeciam separados, cansados ou preocupados. E embora demonstrassem sempre o que sentiam, nada parecia ser suficiente para o outro. Então, as mãos acabaram por se soltar e agora já ninguém se esquece porque não há nada para esquecer. Já não se atrasam porque não existe nada combinado. Já não perdes objetos porque não há ninguém a partilha-los contigo. Já não discutem porque não têm de chegar a consenso algum, a lado nenhum. E no entanto é a partir do momento em que parece não haver mais nada que o amor te toca no peito e diz «Eu ainda aqui estou».



You Might Also Like

18 comentários

  1. A pesar de la monotonía que representa la vida, el Amor siempre está haciendo guiños, gestos y diciendo que siempre está entre nosotros...Sólo tenemos que oir su voz y sentir sus caricias.
    Preciosa Entrada, Paulo.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada caro Paulo! Já tinha imensas saudades de cá vir, pois é aqui que me sinto bem..
    (existir existe mas é raro ser usado , mas sim eu engano-me sempre (x )

    ResponderEliminar
  3. Dizer que amei o teu texto não chega porque além de ele estar muito bom parece que foi escrito para mim. Gostei muito, mesmo :)

    ResponderEliminar
  4. Uou profundo, foi ler e sentir algo por dentro confirmando, eu já vivi isso e ao mesmo tempo que palavras em arte que expressam tão bem sentimento de alguma alma. Adorei!
    Abraços meu amigo!

    ResponderEliminar
  5. Nossa Paulo! Que criatividade linda e invejável (inveja boa). Gostei bastante de ler o seu texto e ele realmente me fez pensar...
    Parabéns! Está belíssimo.

    ResponderEliminar
  6. Muito bonito este texto.
    Parabéns!
    H.S.

    ResponderEliminar
  7. Meu amigo Paulo

    Um belo texto cheio de sentimentos que tocam tanta gente...quando o amor acaba e fica apenas o que eu costumo chamar de paz podre...porque não resta nada.Adorei ler-te como sempre.

    Um beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  8. Seu blog é óptimo,gostei dou-lhe meus parabéns.
    Com votos de grandes vitórias.
    PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, faça-o de forma a que possa encontrar seu blog para segui-lo também.
    Sou António Batalha.

    ResponderEliminar
  9. Gostei muuuito do texto :)
    É tipo,brigam,se desentendem,mas parece que o amor de um jeito ou outro os une novamente né?!Isso é mágico :)




    beeeeijinhos
    http://borboletametamorfoseando.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  10. Escrever todos nós escrevemos, mas escrever com tanto sentimento e conseguir passá-lo a quem lê, nem todos somos capazes de fazer. Tu és capaz de o fazer. Está fantástico, está mesmo!

    ResponderEliminar
  11. E aqui está ele ...
    O Tempo...reservo-me aos meus pensamentos feitos teus ...
    "Ainda estou aqui".

    Beijo ao meu sobrinho querido n´oteudoceolhar *

    ResponderEliminar
  12. Está fantástico, digo-te. Quando tudo acaba, parece que queremos voltar sempre a repetir tudo e tudo.

    ResponderEliminar
  13. A tua escrita é deveras fascinante*

    ResponderEliminar
  14. Dizem que , por vezes, precisamo-nos perder, para nos reencontrar!

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *