Um Tique-Taque Perturbador

16:42

Estás a ver quando começa o intervalo da série que costumo ver? É nesse momento, quando estou sentado no sofá de pernas cruzadas, num copo de café, que o meu mundo pára. Nesse momento eu olho para o lado e o outro sofá está plenamente vazio, com a almofada que, outrora, agarravas ao peito desnorteada em cima dele. E é nesse simples momento que o tique-taque do relógio parece quebrar-se, deixando-me perdido no tempo. Sinceramente não acho que me mexa muito nesse instante, porque o ar parece solidificar e mexer os músculos torna-se uma tarefa difícil  tão densa. Então lembro-me da tua forma de mastigar, óh se lembro, talvez não haja outra coisa da qual eu me lembre tão bem. E daquela maneira com que semicerras os olhos sempre a desconfiar das minhas palavras. Já lhes conhecias os truques, eu sei que sim e, mesmo o sabendo, mostravas sempre uma grande surpresa no que eu dizia. Era a tua forma de mostrar que me davas atenção, era a tua forma de desenvolver conversas mais longas que o tempo. E a minha mente sempre vagueia pelas músicas ouvidas, pelas conversas e pelos risos condensados  ainda hoje, no meu peito... E depois o tique-taque volta, e finjo que a dor da distância não me incomoda mais. Coloco o café nos lábios e talvez, um dia, noutro intervalo, me volte a aquecer por dentro que deste frio já me canso...

(sem direitos de imagem)

You Might Also Like

20 comentários

  1. Lembranças são mantidas fortes e tão reais como se abitassem o presente. O tique-taque vai batendo na trilha sonora avisando o tempo passou querido, vai passar e no meu tique-taque outro calor pode vir a te aquecer. A esperança é preservada no tempo e na luta continua.
    Abraços Paulo e quão bom é surpreender com o tique-taque do tempo e novas leituras!

    ResponderEliminar
  2. Concordo no que disseste!
    quanto a este maravilhoso texto, gostava eu que esse parar de tempo durasse apenas o intervalo das séries que vejo, significaria que era pouco tempo, o que não acontece comigo, mas já me estou habituando...

    ResponderEliminar
  3. As vezes é assim que acontece comigo Paulo meu amigo ...Ao menor toque de qualquer som paraliso Um abraço Pedro Pugliese

    ResponderEliminar
  4. adorei !
    adoro o blog linda <3

    ResponderEliminar
  5. Adore, esta tua descrição da perturbação e da solidão, está muito interessante adorei a parte de que como se fosse uma narativa e como te referes ao facto de a pessoa estar preenchida a ver a série mas num zap cai na realizada e fica vazia e perdia, adorei!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. também estou cansada de tanto frio..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  7. Ese "tique-taque" que nos invade en esa nostalgia tan difícil de cronometrar, en la que ella sola se da la suficiente cuerda para soliviantar nuestra mente y nuestro corazón.
    Precioso Relato, Paulo.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  8. De repente as lembranças vem, e tornam ainda mais difícil conviver com a ausência. Porém a vida continua.

    ResponderEliminar
  9. Acredita que espero exactamente o mesmo. Que o amor seja sempre mais forte. E, sem dúvida, estar apaixonado é um sentimento tão bom. :') beijinho.*

    ResponderEliminar
  10. Meu querido amigo

    Como sempre ler-te é fazer uma viagem por dentro de tantas almas que sentem esse tic-tac e não o conseguem dizer...Lindo.

    Beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  11. Triste, mas real para mim, sempre na solidão lembrando algum passado distante...

    ResponderEliminar
  12. Escreves sempre tão bem, e este texto... nem sei que te dizer. Está tão lindo, e senti realmente as tuas palavras.
    Há coisas que nunca esquecemos, por mais simples que possam parecer. E são nos momentos mais banais que nos lembramos delas.

    ResponderEliminar
  13. São lembranças que nunca se perdem...

    ResponderEliminar
  14. Já estou nesse frio da solidão há tanto tempo que acho que nem sei mais o que é o calor de um abraço, a sensação de leveza do sorriso alheio, enfim, a sensação de estar acompanhada nos momentos mais simples da vida... Mas o café me mantém em pé e em alerta, pelo menos isso.

    ResponderEliminar
  15. "...e finjo que a dor da distância ..." Por vezes apenas temos de fingir...que tudo passa, que tudo está bem, sorrir, quando a vontade é gritar. Sorrir quando a vontade é chorar, sorrir quando a vontade é Amar.
    Mas por vezes apenas não dá ...
    E tu não gostas de café...diria Chá?
    Será que ainda me lembro?
    Beijo n´oteudoceolhar Pensador *

    ResponderEliminar
  16. Amigo Paulo.
    Quanto tempo não venho no seu blog
    o meu tempo ficou pequeno demais ,mais nunca esqueço dos amigos.
    Um feliz final de semana beijos,Evanir.

    ResponderEliminar
  17. (Tu já gostas de café? Humm!I wonder)

    ...
    A minha mente também vagueia por músicas, por relógios de tempo, por tempo e sem tempo...
    Ainda esta semana me "ofereceram", uma foto para eu escrever sobre o tic! tac!
    Achas normal? Olham as minhas fotos, smp acompanhadas de textos, escritos na hora ou do blog, e depois pedem-me que olhe fotos e deixe ou uma frase ou um texto ...
    Vês, o tempo anda perdido, mas não se perde ... acho que me entendes...
    Mas tenho saudades de quem entende muito mais além as palavras, as gentes que como tu escrevem o sentir como se não houvesse amanhã.

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *