A Felicidade

09:22

Bateram-me à porta. Não apresentei demoras, abri-a. E de pés descalços e mangas desaparecidas estava uma mulher de olhos verdes. Pele esculpida pela terra, tão suave quanto virgem, nunca antes dedilhada. Lábios de contos sedutores e cabelo de carvão. Ela, cigana, estendeu-me a mão e convidou-se a entrar... Não lhe barrei a entrada pois queria que permanecesse sentada nos meus sonhos e sorridente na minha vida. Queria descobri-la, descobrir-lhe cantos e histórias que teria para contar de mãos abertas à conquista. Tem visitado vários lugares, diz. E contou-me: 

As pessoas são todas diferentes mas todas me desejam.  Claro que ninguém abriu mão de mim até hoje e talvez nunca ninguém venha a abrir. Precisam de mim na sua vida mas eu não preciso de gente. Sou a minha própria essência e sou cigana. Não tenho asas mas aprendi a voar e talvez seja por isso que todos me queiram. Porque o meu espírito é livre mas o meu corpo é real. Enrolo-me nas palavras e conquisto sorrisos. Mas não sou de um só, caso seja o mundo fica desequilibrado pois para haver dia, é precisa a noite. Por tanto, não nos podemos habituar apenas às coisas boas. Então, às pessoas, obrigo-as a perderem-me e assim saberão sempre como dar-me o devido valor. A minha reserva nos seus corações é temporária. Não pouso as minhas malas. Caso contrário deixo de ser ouro para ser poeira. Sou cigana e não tenho tempo nem momento certo. Sou conveniência e surpresa ou não seria eu, a felicidade.



You Might Also Like

22 comentários

  1. obrigada :)
    é um bocado complicado, mas umas pessoa vai-se habituando, é como tudo na vida...

    ResponderEliminar
  2. adoro a forma como escreves, fazes-me imaginar-me a viver as mesmas situações.. lindo!

    ResponderEliminar
  3. A felicidade passa rápido e de vagar, sempre passando entre nós. Oh e como gostaria também de segurar e mantê-la por perto por um longo tempo aqui ou até o último dia de vida, mas talvez para compreendê-la é preciso sua ausência e nem por isso ela está ausente, continua escrevendo sua história na história de outros.
    Abraços!

    ResponderEliminar
  4. Adoro ciganas e essa sedução que delas emana!

    ResponderEliminar
  5. Adorei Paulinho *.*
    Gostei mesmo deste teu texto... Era bom que essa cigana me viesse bater à porta... <3*

    ResponderEliminar
  6. La Felicidad, esa gitana que extiende nuestras manos y augura nuestra sonrisa. Sin Alas siempre vuela en nuestro alrededor.
    Precioso Escrito, Paulo.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  7. Com o alzheimer de minha avó tem sido difícil frequentar a blogosfera.
    Contudo, foi muito bom ler palavras tão sábias, que fazem pensar.
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Tens uma capacidade de escrita fascinante.
    Adoro!

    ResponderEliminar
  9. Que lindo, adoro seus textos!

    Bjs
    http://maviealeatoire.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  10. Caro amigo ...gostei muito da sequencia e fluência do que falas ... realmente de rara beleza e de forte expressão e sentimento da forma fugaz que tem a felicidade !!! Cabe a nós como no início do conto fazê-la permanecer sentada em nossos sonhos e que esperança prevaleça sempre ... parabéns ... com todo meu carinho e feliz por tê-lo comigo e com você está Pedro Pugliese

    ResponderEliminar
  11. Paulo,
    olá..."O que é a felicidade?
    Esse conto me fez pensar e me identifiquei, sou quase uma cigana, não gosto de "firmar compromissos e já magoei alguns por isso.
    A liberdade é um delícia mas temos momentos de carência...
    NADA É COMPLETO, VIVEMOS MOMENTOS, ISSO BASTA(???
    Beijos.

    ResponderEliminar
  12. …desta vez as palavras foram-se mesmo…
    Apenas … Mais!
    Dá o resto do que ali advém, daqueles olhos verdes, de corpo esculpido nunca antes “dedilhado” (esta expressão é fenomenal…)
    Pensador, espero que o autógrafo a dar a sua Tia, seja bem ao teu jeito… porque estarei entre os primeiros … Mais!
    Beijo n´oteudoceolhar…

    ResponderEliminar
  13. Uau... que cativante este post. Gostei demais, mas vc sabe que não é novidade que sempre gosto (quase, rs) dos seus posts.
    Abraço querido!!!

    ResponderEliminar
  14. Assim se escreve, e assim se diz. Bravo, Paulo. Sempre.

    O abraço teu!

    ResponderEliminar
  15. olá Paulo. sou a S do blogue Be Wild cujo antigo link era nooloveeinnourrsoulss.blogspot.com e do qual eras seguidora e gostava de te dar o meu novo link, holdinggyouulikeethiss.blogspot.com para que me pudesses voltar a seguir.
    agradeço imenso,
    beijinho

    ResponderEliminar
  16. Excelente tema de escrita a felicidade, algo que todos queremos ascender mas que no fundo todo tememos. Algo que todos tanto apressamos a sua vinda mas que na verdade so a afastamos de nos, interessante :P

    Abraço

    ResponderEliminar
  17. "Não tenho asas mas aprendi a voar e talvez seja por isso que todos me queiram."
    As tuas conjugações perfeitas de palavras não têm também elas asas, têm essência.
    Sempre fui cativada pela simplicidade das "coisas", porque afinal a beleza reside nos olhos que vêm, na boca que fala, nas mãos que tocam, na voz que fala.
    Sinto simplicidade cada vez que leio algo teu. Por vezes chego a ter inveja desse teu jeito de traduzir o que te escorre na alma, porque é tão difícil começar.

    Com carinho,
    Sara Dias

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *