Criança no Bolso

09:18

Quando somos mais novos temos simplesmente uma meta: acordar cedo e começar um dia de brincadeiras até anoitecer. No entanto deparamo-nos com aquela enorme vontade de crescer pensando que tudo vai melhorar. Que possamos estar longe por muito tempo, mas há sempre saudades de casa; do abraço e do beijinho antes de ir dormir. O desejo de progredir na vida e os sonhos mais que sonhados e rodados pelos olhos brilhantes são cada vez mais e parecem cada vez mais perto de concretizar quando crescemos. E lá chegamos nós e vemos que quase nada mudou, ou talvez tudo tenha mudado mas não da maneira que esperámos. E chegamos à conclusão que Adultos são crianças que se esquecem de brincar. Dissemos não àquelas brincadeiras de quase 24horas por dia para conquistarmos uma nova realidade e agora que a temos desejamos aquelas brincadeiras nem que por uns minutos de sorrisos. Mas os sonhos continuam, e evoluir nem sempre significa que tenhamos de abandonar aquilo que mais gostamos ou deixar para trás. O brinquedo que é a felicidade, pode nos ser colocado no bolso e iremos embarcar quando estivermos prontos. No entanto o melhor é certificarmo-nos que não o deixamos na prateleira apenas porque nos deram outro com que brincar...



You Might Also Like

57 comentários

  1. Sabes, os tempos são outros! E o que para mim em criança bastava-me brincar ao elástico, à corda, à macaca e afins. Hoje em dia, as crianças do agora, são jogos de pcs, são telemóveis, são computadores, FB e etc... e com isto, se perde o encanto da inocência. O ser humano é tão limitado que até dói.

    Kiss

    ResponderEliminar
  2. por vezes deixamos a felicidade na prateleira..durante demasiado tempo e só por acaso é que nos apercebemos que ela sempre esteve ali

    ResponderEliminar
  3. Que texto gostoso de ler, deixou saudades de minha infância, só damos valor a isso tudo depois que crescemos. Eu carrego essa criança dentro do meu bolso pra onde eu vou.
    Beijos e ótima semana.

    ResponderEliminar
  4. Ser adulto, mas com meninice.

    Belo. Flores.

    ResponderEliminar
  5. Procura-se a felicidade em tanto canto, e lá está ela, na estante haha adulto tem que brincar sim, de vez em quanto... rss

    ResponderEliminar
  6. Exacto.
    Os "adultos são crianças que se esquecem de brincar".

    São crianças que recebem um novo brinquedo e esquecem todos os outros, todos aqueles que os acompanharam na fase de ser criança.. São pessoas que cresceram e deixaram a criança dentro de si esmorecer..

    Não, aquela pessoa é mesmo só um estranho, mas um estranho que derrubou o que tenho vindo a construir...

    ResponderEliminar
  7. agora me deu uma nostálgia...saudades...lembranças do que tive, mais nunca perdi...iso é muito bom...

    "nate"

    ResponderEliminar
  8. Nossa eterna companheira, muitas vezes esquecida em algum canto da memória. É com ela que reavivamos os sonhos, que mantemos a coragem e o impulso para nos lançarmos em novos caminhos. É com ela que descobrimos o mundo.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  9. É tão verdade..
    Passamos uma vida a tentar ser "como os grandes".
    Mas quando isso começa a acontecer..queremos o passado de volta.
    Enfim. Só digo que a vida (e nós mesmos) é demasiado complicada para ser compreendida :/

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  10. Sim é verdade, mas se a tempestade continuar por muito tempo, acho que não vou aguentar...

    ResponderEliminar
  11. quem me dera crescer fosse solução de algo, nunca me senti tão adulta como esses tempos, e nunca estive tão perdida.

    ResponderEliminar
  12. eu acho que nós, humanos, somos uns seres muito insatisfeitos com a vida. quando somos pequenos queremos crescer, e quando crescemos queremos ser crianças ou então queremos crescer mais ainda, e nunca estamos bem. nem nunca vamos ficar, acho. o nosso coração é ambicioso de mais, ou a cabeça, nem sei bem. seria bom que chegássemos a um ponto e nos sentíssemos completos com o que temos, como se não precisássemos de nada mais e tudo o que viesse, viria como um prémio, por acréscimo. sonhos meus, né?
    gostei muito do texto, como sempre Paulinho :) <3

    ResponderEliminar
  13. Ainda tenho muito a criança dentro de mim! Mas fica esquecida nestes tempos em que vivemos...
    Bonito texto amigo :) *

    ResponderEliminar
  14. Paulo,

    O teu texto é tão profundo e quer dizer, gritar tanto, a ti e aos que te lêem, que nem sei por onde começar, nem muito bem o que dizer.
    Não me faltam as palavras, as emoções é que são muitas, quando lanço as palavras.
    Vou e quero ser prudente.
    Há adultos, que só foram crianças, etariamente.
    E, também há o reverso da medalha.
    Os acontecimentos, que podem surgir na infância, marcam, bem ou mal, a personalidade do indivíduo.
    Daí, as variações de humor, o quero e já não quero, o sei e não sei, a confusão, que se gera, por vezes. Mas, é normal, tal acontecer.

    A SEGURANÇA É O PILAR FUNDAMENTAL DA NOSSA VIDA.

    As tais crianças/homens não têm, em geral, muita segurança. Ou isolam-se ou abrem-se aos delírios da vida.

    Mas, só não remédio para a morte, costumamos dizer.
    O amor, o entendimento e a aceitação do outro, tal como ele é, são as chaves, que devemos trazer, sempre no bolso.

    A Felicidade é um conceito real, mas vago, apesar de tudo. O que é felicidade para uns pode não ser para outros.
    De qualquer forma, se um dia a sentirmos por perto, mesmo que tenhamos, que escalar "Os Himalaias" da nossa alma, deveremos escalá-los, com habilidade e determinação.

    QUERO-TE FELIZ!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  15. Voltei, só para dizer, que o gatinho, que a Cláudia fotografou é tão lindo.
    E tem muitas cores, como a vida, que queremos.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Ser criança é, sobretudo, ser dono de um mundo que não tem limites: tudo pode ser imaginado e tudo está no seu domínio. Inclusive brincar de ser adulto.

    ResponderEliminar
  17. Quando somos mais velhos temos várias metas e umas delas é: acordar cedo e começar o dia com um trabalho, que por vezes não o pretendido... e ao anoitecer só querer chegar a casa para repousar do dia desgastante e depois adormecer ao pensar no próximo dia...que será igual!

    Mas apesar de tudo de bom ou até de mau que nos aconteça ao longo da vida, quer em criança ou mesmo em adulto devemos a encarar sempre com um belo sorriso.

    ResponderEliminar
  18. criança e adulto..
    uma linha tênue que separa os dois..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  19. Sempre me sinto muito a vontade nesse seu cantinho... cada acorde, cada palavra me encanta. Ao ler este texto até me inspirou escrevi no meu blog: Lavando a Felicidade. Passa lá e dá uma olhadinha. :) bjs querido.

    ResponderEliminar
  20. está lindo e sem sombra de duvida , uma grande verdade

    ResponderEliminar
  21. a maturidade é legal, mas junto dela temos muitas responsabilidades o que nos faz esquecer a criança que existe em nós!!

    ResponderEliminar
  22. Que texto bom de se ler! Adoro o seu blog.

    ResponderEliminar
  23. Ser-se sempre criança..é algo que a nossa sociedade tem dificuldade em aceitar..muita dificuldade mesmo.

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  24. Eu gostei muito. "E evoluir nem sempre significa que tenhamos de abandonar aquilo que mais gostamos ou deixar para trás." Acho que não devemos abandonar as coisas, só aquelas coisas ruins. Devemos ir e voltar, ter tempo pra seguir em frente com novos brinquedos e voltar pra sorrir com a saudade dos velhos.

    Adorei seu blog, e peço sinceras desculpas pela demora ao responder.
    @hellswetri

    ResponderEliminar
  25. Espero mesmo que chegue, caso contrario, não sei o que vou fazer.

    ResponderEliminar
  26. Espero que sejam mais fáceis! :)
    Oh, tu és um doce. Obrigada por tudo, também mereces o melhor da vida! <3

    ResponderEliminar
  27. Mas e se hoje aprendo a construí-las e amanhã a situação em que estiver for três vezes pior? Uma coisa boa, fiquei mais forte, uma coisa má, sofro novamente para conseguir construir novas estradas..

    ResponderEliminar
  28. Muito obrigada pelas palavras . Acho mesmo que o problema de nós , seres humanos , é complicar aquilo que é fácil , trazer a vida coisas difíceis , obstáculos , mas faz parte . Assim a vida é muito mais interessante :) Beijinhos

    ResponderEliminar
  29. O problema reside exactamente nisso, nunca sabemos bem se não conseguimos ou se não queremos. eu, por exemplo, não sei de que lado me encontro... mas espero que o tempo me diga.
    oh, só sou o que as pessoas merecem :)

    ResponderEliminar
  30. pois, talvez tenhas razão, mas isso ainda me assusta mais*

    ResponderEliminar
  31. porque é que tens sempre tanta razão? obrigada.

    ResponderEliminar
  32. é nessas coisas que se vê a força do teu ser e a nobreza do teu carácter. ainda bem que assim é então :b

    ResponderEliminar
  33. Muito bom o teu texto!
    Realmente, a gente sempre sonha em ser o que, de fato, ainda não somos, e quando chegamos nessa etapa "tão esperada", nos deparamos com algo frustante, que não corresponde com as nossas espectativas. Bom mesmo é viver cada momento lhe dando devida atenção e entrega, pois, tudo passa e não volta nunca mais.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
  34. Por vezes o nosso maior erro é o de não saber dar valor ao que temos...no bolso... é o de querer sempre mais e esquecer o que é realmente essencial...
    Beijito.

    ResponderEliminar
  35. Paulo,

    Estava aqui a ler a "introdução", que fizeste, a este rectângulo, onde exprimimos a nossa opinião.
    Boa...e depois o pensamento, que postaste, reforça as tuas palavras.

    É verdade, os dias continuam frios, de facto, mas com o sol, a pique, quase.
    Que bom! Aquece-nos a alma e os corpos, os nossos, o meu e o teu.
    E o litoral alentejano, que considero a 8ª maravilha do mundo, é envolvente, deslumbrante e, lindamente, limpo, como nós.
    E eu não gosto de mar, nem praia, embora ao entardecer goste de permanecer lá, sossegada, não a olhar o mar, mas, a olhar para o lado, e saber, que tenho um olhar e uma mão por perto, que segura a minha, e não tem medo do mar e que enfrenta qualquer "Gigante Adamastor", que possa surgir naquelas paragens. E se já não se vir quase nada, fico, ficamos, naquela penumbra, que me fascina e me põe um pouco à mercê, e então aí, eu já consigo olhar para a frente, para o mar, mas tenho de ter a mão... a dele, a tua, na minha mão e a certeza, de que está tudo calmo, em sintonia, como nós. E gosto do barulho do mar, embrulha-nos, embrulhas-me, embrulho-me nele e é ... não consigo arranjar palavra para pôr aqui, e é, aquilo, que queremos, é, divinalmemnte, colossal e verdadeiro. E a água já me molhou a ponta dos ténis, vês? Não faz mal, tu, ele já me molhou o rosto com beijos, que não são salgados, são doces, como a intenção, que preside aos seus actos, todos teus.
    E agarrámos a FELICIDADE, agora, neste momento.

    É NOSSA, TODA OU EM PARTE, É NOSSA, PERTENCE-NOS. CONSEGUIMOS.

    Continuas com a tua mão, agarrando e acariciando a minha. Encontramos e estamos em PORTO SEGURO, no nosso LITORAL, no nosso espaço, só nosso, meu e teu.

    Abraço meu, todo dela, teu.

    ResponderEliminar
  36. Mas não consigo! Eu faço hoje a pensar no amanhã...

    Para mim é inevitável.. Eu tento se optimista! Mas as vezes as situações são tão más que lá se vai o optimismo...

    ResponderEliminar
  37. tenho te a dizer que és o dono da razão! está perfeito e com um toque de pura verdade que dói, parabéns!

    ResponderEliminar
  38. Ta aí uma grande verdade, quando somos crianças apesar de amarmos brincar e termos um dia inteiro dedicado para isso, sonhamos em crescer e nos tornarmos adultos, repletos de responsabilidades e rotinas, todavia quando então nos tornamos gente grande algumas frustrações podem aparecer, afinal "Adultos são crianças que se esquecem de brincar", e a brincadeira faz parte da vida, sem alegria nada se completa!

    Grande Abraço.

    ResponderEliminar
  39. Paulo,

    Aqui, no teu espaço, quando dizes: "Tendo em consideração...Simples." e depois a negrito o pensamento, entre aspas.
    Agora já escureceu e portanto vamos para ocidente, e os teus olhos já estão em forma de amêndoa, a quererem se fechar, doces, daquelas, que se comem na Páscoa (já não falta muito) e não "em bico".
    Mas, deslocamo-nos para ocidente, poente, oeste, ocaso, mas não por acaso, porque estou com os pés em terra e estou segura, e tenho, e continuo com aquela mão, a tua, a dele, que me protege e me ampara.
    Não me considero uma pessoa insegura, mas em matérias marítimas e em cartas, que não são de amor, são náuticas, fico, que nem andorinha sem beiral, percebes?
    Pés fora dos ténis? Deixar os ténis em terra? Ai, Ai, eu tenho medo, eu não sou capaz. Continuas a meu lado? Não quero nem olhar, só pretendo sentir, como se fosse "cega", de ti, por ti, só tenho tacto para ele, para nós, para ti.
    Sinto a tua mão, a mão dele na minha cintura e eu já não tenho ténis e ... estou, estás, estamos na água, já, até ao joelho. Meu Deus! OLha, que foi tudo tão espontâneo e tão natural como a nossa própria sede, a dele , a tua, a minha.

    QUERO A MÃO DELE, A TUA, A NOSSA, COM A MINHA, NA TUA. É O CALMANTE CERTO, MELHOR, QUE QUALQUER BENZODIAPINA.

    É relaxante e navego... e navego e já é noite e estamos aqui, isolados, mas o mar sabe muito, mas não é um sabichão, como disseste. E eu acredito. Nós é que sabemos, para onde queremos ir e para onde queremos ser conduzidos pela maré, que hoje, até está de maré, e leva-nos às emoções e aos sentimentos não perdidos, mas achados.

    Dentada? Claro, que sim. Puseste muito açúcar? Sabes, que eu não posso relacionar-me com os doces, eles dizem, que eu já sou, demasiadamente, doce. Tolos, sabem lá eles o que é doçura!
    Então, mas eu vejo o prato onde estava o bolo vazio, Ah! só já há essa fatia, que tens na boca e onde deste agora a primeira dentada. Então como faço, agora?
    Desculpem, vou buscar uma tabuleta com "AVISO DE CONTEÚDOS", e agora já posso comer um pouco do bolo de limão.
    Mas em que extremidade tens tu a boca na fatia do bolo? Na sul, mas essa é minha. Nós somos do sul, ambos. Então,... ai, não caminhes, não avances, ai,ai, és tão invasor, tão comilão, eu estou quase a ficar sem nada, não consegui, ainda uma pequenina trincadelha e já estás aqui...ah! ohhhhhhhhhhhhhhh...hummmmmmmmmmmmm,simmmmmmmm, ah! Splash!

    Já não há bolo, só duas bocas, com os sabores, que quiseram, ambas ter.

    Quero-te feliz.

    Beijo meu, dela, teu, só.

    ResponderEliminar
  40. Adoro a musica! É linda! Concordo imenso com o post!

    ResponderEliminar
  41. não estava a exagerar :)
    nada disso *

    ResponderEliminar
  42. Parabéns! Texto profundo, para refletir e muito bem escrito!Uma 5ªF iluminada e repleta de bênçãos!Estou seguindo teu mosaico de seguidores e agradeço se me seguires de volta em meu mosaico! Seja bem vindo ao meu espaço, nosso espaço! Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  43. que o inventem bem rápido, então

    ResponderEliminar
  44. Que texto adorável, agente devia ter escolha entre crescer e continuar a ser criança, mais não temos, mais quem disse que as coisas mudam? Continuamos sermos os mesmos,porem com mais responsabilidades e menos tempo! Ficaria grata com sua visita e siga se gostar:
    http://fazdecontatxt.blogspot.com

    ResponderEliminar
  45. To ficando viciada no teu blog já.

    ResponderEliminar
  46. Crescemos, mudamos... mas ficamos sempre com uma criança dentro de nós...

    ResponderEliminar
  47. ahah, só tu para me fazeres rir! hei-de procurar :b

    ResponderEliminar
  48. oh agradeço do fundo do meu coração $:

    ResponderEliminar
  49. Me alegra muito que te sintas bem...Nem podes imaginar quanto! Apareça mais seguido! Você viu, na lateral direita do blog, o selo da campanha "Seja um Coração Amigo?" Acesse e faça parte! Por uma Net mais humana, por mais amizade, carinho e respeito entre blogs...
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  50. bastante sugestivo esse titulo, e mais um bom texto Paulo. abraço

    ResponderEliminar
  51. Paulo,

    Disseste demasiadamente triste. Desculpa. Desculpa. Se te decepcionei, desculpa, mais uma vez.
    O bolo tinha o açucar, q.b. e não o achei duro.
    Estava molinho, pois, fizeste-o, ontem.
    Sim, será mais seguro voltar para terra, é o meu habitat natural, é lá, que eu quero estar, é lá que me sinto segura. No mar perco o equlíbrio corporal e emocional.
    Os meus ténis estão à minha espera e vou já calçá-los.

    No nosso litoral, não há tubarões, como na Austrália, e sempre ouvi dizer que: NINGUÉM SE COME SEM SE DEIXAR COMER.

    Abraço meu.

    ResponderEliminar
  52. gosto do texto , sigo o blog.

    ResponderEliminar
  53. gosto do texto , sigo o blog.

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *