Borboletas.

05:16

Ele saiu para caçar insectos. Sempre conseguia chegar a casa com um ou dois dentro do seu pequeno e seguro pote. A mãe pedia-lhe para manter os bichos longe da mesa de jantar e, consequentemente, do quarto, da sala, da casa. A mãe não queria por perto tais seres perigosos. Não por ela, mas pelo pequeno menino. E o que ela não sabia é que também ele tinha medo, pois saia para caçar borboletas mas encontrava-se perante a tentação de apanhar todos os outros também. Não porque quisesse mas porque precisava. Porque há necessidade de experimentar coisas novas. E todos os insectos que caçava tinham nomes - a ilusão, a mágoa, a solidão, o desespero, entre outros. E ele apenas saia para caçar borboletas. Às quais chamava de amor. E sempre chegava frustrado por trazer todos os outros. 

Com as mãos sujas de vermelho, certo dia, a mãe lhe pergunta:
- De novo?
- Apertei-o demais. Então ele parou. E agora, não bate mais.


You Might Also Like

12 comentários

  1. Somos eternos caçadores da vida e os insetos vão está sempre ao redor incomodando, mas sempre nos revelando.
    Um ótimo fim de semana meu caro!
    Abraços!!

    Coisa da vida

    ResponderEliminar
  2. Esas Borboletas de pura esencia tan dificiles de cazar...Preciosa Historia cargada de hermosas Metáforas.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  3. http://mywordsmylosses.blogspot.pt/

    voltei a escrever e tinha todo o gosto que me acompanhasses nesta caminhada. com amor, nanci *

    ResponderEliminar
  4. o amor às vezes sufoca..

    saudade daqui..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  5. Um doce e terno texto. Parabéns.

    Nota: o blogue está um pouco lento ao carregar, embora dê para fazer a leitura, não sendo, no entanto, nítido, dada a cor utilizada, a secção "opiniões".

    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Uma busca infindável, que nos persegue, que nos acompanha, que nos limita!
    Beijito.

    ResponderEliminar
  7. Oi Paulo,
    Nossa faz uma vida que vim aqui,agora que voltei tá cada vez mais lindo,o que você escreve,o design,tudo.

    E o que a gente faz com um amor que morreu?!Será que ressuscita ou a gente espera novas vontades despertarem?!

    Esse texto é incrível.
    Dias de luz,abraçãoo =)

    ResponderEliminar
  8. Bela analogia com a vida, e como temos insetos a nos rodear...
    Grande abraço e sucesso!

    ResponderEliminar
  9. nossa! faz tanto tempo...

    voltarei breve!
    (fique bem)

    ResponderEliminar
  10. Belíssimo texto!!Eu vivia à caça dessas borboletas, mas parece que eu também as sufocava... Talvez seja melhor observá-las e deixar que alguma pouse ao meu lado.

    ResponderEliminar
  11. Olá!!!, Deus te abençoe, o seu blog é maravilhoso o post esta um A R R A S O, amei sucesso
    Já estou te seguindo OBRIGADO PELA VISITA.
    Curta e participe do meu blog, fan Page, twitter , instragam e canal do youtube.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *