Relato

11:05

Parte II

Uma das piores sensações da vida é estar vendado e enfiado num local que desconhecemos.  Apalpar em tudo e não saber de nada. O que passei fez-me ter essa sensação. Eu, eles. Nós, peões de um jogo onde o tabuleiro era ameaçado, fomos levados, ainda hoje não sei bem, para e, por onde. Sei apenas que chegámos e fomos arrumados em números. Cada cabeça, num corpo, num número. A única desordem era encontrada nos olhos de cada um dos presentes. Cada olhar composto pela saudade, pela mágoa, pelo Passado que ficou. Olhares esses que vi mudar tão radicalmente ao ponto de não reconhecer a pessoa por detrás dele. Em tempos, como os que passara, passámos, até a alma é capaz de se camuflar. Encontrar asas e puder voar. Quando nos levam, sabe-se lá para onde, podemos imaginar tudo mas nunca será nem perto daquilo que vamos passar, que vai acontecer. O rufar dos tambores antecedeu a queda dos nossos corpos no mar de desilusão e desespero que nos preencheu. A única diferença de hoje para aquele tempo que passara, é que a vida, hoje, é tão tomada como garantida. E naqueles tempos só saberíamos isso depois dos dados rebolarem, os tambores deixarem de rufar e os mares de confusão se terem pintado de encarnado...

Continua...


You Might Also Like

44 comentários

  1. "Uma das piores sensações da vida é estar vendado e enfiado num local que desconhecemos." - simplesmente awesome . Escreves coisas tão lindas +.+

    Mas, querido, porque é que pensas que sou eu?

    ResponderEliminar
  2. "E naqueles tempos só saberíamos isso depois dos dados rebolarem, os tambores deixarem de rufar e os mares de confusão se terem pintado de encarnado...": LINDO! Esperando a continuação e me deleitando com as palavras-sentimentos!

    ResponderEliminar
  3. Big Paulo!

    De como tens a arte e a sensibilidade e o património interior de criar histórias do nada, de reinventares sentires a partir da mais corriqueira situação, e de projectares num futuro-passado tanto do que vês, projectas, antecipas e "recordas".

    Assim és tu, em cada post. Sempre reinventado nos sentir!!!

    Um abraço. Aquele. Sim, o teu :)

    ResponderEliminar
  4. um constante descontentamento..

    bjs.Sol

    ResponderEliminar
  5. Uma das piores sensações é realmente não poder enxergar a vida...os seus acontecimentos...abraços de bom final de semana pra ti amigo.

    ResponderEliminar
  6. Mais uma vez e como sempre estás de parabéns caro Amigo, tens uma óptima escrita, WOW, mesmo.
    Como não poderia deixar de ser, gostei de ler este teu texto, á semelhança do outros sempre tão desafiante e incentivado por uma leitura muito bem estrutura e culta. Gostei imenso desta parte: "Sei apenas que chegámos e fomos arrumados em números. Cada cabeça, num corpo, num número." gostei mesmo!!!

    gostei ainda do inicio, quando te referes a estarmos vendados em que apalpamos as coisas, é a sensação que todos temos quando estamos em terreno novo e desconhecido e não só.

    Nesta altura do campeonato, sinto me inspirado em vir ler os teus bons textos, para poder ter ideias para as minhas velhas All Stars :P

    Abraço Forte, continua :)

    ResponderEliminar
  7. LOVE IT!
    (aguardo a continuação!)
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  8. Lamento querido, mas não sou eu. Quando falo contigo meto como eu..

    ResponderEliminar
  9. Om desconhecido é assustador, principalmente quando não não temos definida nossa vontade. Nenhuma imposição pode fazer com que o ser livre se sinta bem na escuridão.
    Grande beijo e obrigada pelo carinho de sempre.

    ResponderEliminar
  10. E o medo de que o vento se vá para sempre e eu morra sem conseguir respirar brisa alguma, é tão grande...

    ResponderEliminar
  11. Obrigado por visitar. Eu gosto do seu trabalho





    Aloha from Waikiki
    Comfort Spiral

    >< } } ( ° >

    ResponderEliminar
  12. concordo, pessoas que nem merecem importância... eu sei, mas nesse momento não estava no meu pc e tinha de sair dele, portanto tive de tirar com o telemóvel e como estava com pressa não correu muito bem... mas obrigada (:

    ResponderEliminar
  13. Perder o controle das rédeas desta vida parece-me ser algo insuportável às vezes. Porém, o que seria dela se não fosse recheada de surpresas?

    ResponderEliminar
  14. Olá "escritor" Paulo,
    trato-te assim porque um dia ainda irei ter um livro com palavras que escreves na palma da minha mão enquanto estou a beber chã no meu cadeirão azul que teima em, às vezes, fazer ruído. E quando isso acontecer, vou-me desfazer em sentimentos a cada frase que ler porque todas elas são compostas por sensações diferentes e mágicas de saborear uma a uma, assim devagarinho como bebo o chã.

    ResponderEliminar
  15. um sonho que não está muito longe de se concretizar, espero eu.

    ResponderEliminar
  16. Ela/e está a meter-se contigo, se fosse para me meter contigo metia-me sem ser em anónimo, para além do mais, tenho a mesma opinião que tu, "o trabalho a solo é mais rentável", nunca iria dizer o que ela/e disse.

    ResponderEliminar
  17. Disso não tenho a mais pequena dúvida :)

    ResponderEliminar
  18. Aguardo ansiosamente a continuação de desabafos estruturados de forma irrepressível...Parabéns novamente

    ResponderEliminar
  19. Olá, Paulo

    Passo por aqui exclusivamente para lhe apresentar o Ostra da Poesia, este blog criado pela blogueira Lindalva visa somente a integração entre blog poéticos desta imensa blogosfera. O Ostra, sempre realiza um pequeno concurso interno nomeado como "Pena de Ouro" onde oito poesias ficam concorrendo a um selinho que o blog oferece como honra ao mérito. Enfim chegamos na sexta edição do concurso e consegui fazer minha inscrição estando entre os oitos primeiros selecionados na primeira fase do concurso. Passou por aqui, não para te pedir um voto! Gosto de competir, mas de forma justa e igualitária... Venho aqui lhe cedendo o link de acesso a página para que possa ler as poesias concorrentes e votar na que mais lhe agradar. Apresento abaixo dois links de acesso ao Ostra, o primeiro te leva diretamente a página do Ostra da Poesia que te ensina como votar no concurso aberto e ainda como poderá participar em uma edição futura. O segundo link te leva diretamente a página do concurso, para votar é simples: você deve ler as poesias, em seguida clicar em comentar e no comentário você escreve a poesia que na sua opinião merecia a premiação e deixe o link do seu blog para que a moderadora do Ostra possa passar a interagir com você.
    1- http://ostra-da-poesia.blogspot.com/
    2- http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com/

    * Conto com sua participação! Abraços, as votações encerram no próximo dia 12. Até mais =)

    ResponderEliminar
  20. Boa tarde Paulo,

    O teu texto faz-me lembrar passagens de "Manhã Submersa".
    Falas na primeira pessoa, mas há o "eu lírico" e tu próprio, o teu eu, e não sei qual deles, estás a usar, aqui. Estás no teu direito. O leitor, é que deve cogitar, depreender e concluir, por vezes, erradamente, mas é a tarefa de quem lê.
    Desconheço se és narrador participante, parece que sim, ou não participante, talvez daí o "suspense" das tuas palavras.

    Algo aconteceu. Contigo ou não, ou com outro alguém, que isto te contou, e que viveu a situação, mas aguardemos a continuação.
    Abrem-se aqui muitas janelas, já para não falar em portas.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. Obrigada, só espero que seja sempre assim :D

    ResponderEliminar
  22. nunca saberás se não tentares :')

    ResponderEliminar
  23. tenho que ler estas duas partes, tenho que ler mesmo!! estou curiosa*

    Obrigada pelos parabens, e de facto, parabens a nos os dois também, parabens a nossa amizade do "blog" que nao deixou de decrescer passado um ano.

    Beijinho grande,
    Bia.

    ResponderEliminar
  24. chatice? nada disso, até agradeço :)

    ResponderEliminar
  25. Boa noite Paulo,

    Não quero toque-foge, enjoos, pôr à borda do prata e similares.
    Só deves "comer", comentar os meus poemas, se, não sentires aqueles efeitos secundários, tão adversos, que te dão a volta ao estômago, afinal.
    Por enquanto, os teus textos não me causaram, ainda, reacções adversas.
    Quanto à diversidade da poesia, umas vezes adoro-te e "exploro-te" e outras vezes, não prestas mesmo para nada, é mesmo assim, é como na vida. A poesia é inconstante, caso não, enjoava, porque falávamos, sempre do mesmo.

    CADA UM COME DO QUE GOSTA, sempre ouvi dizer.

    Grata pelo teu comentário.

    ResponderEliminar
  26. Meu querido Paulo,
    Li as tuas duas partes, e estão lindíssimas, repletas de adjetivos de vida!
    Não sei se o que nele dizes é de facto verdade, se aconteceu contigo, mas fiquei um pouco triste por "os sonhos passaram-me ao lado" e outras coisas que "os campos de trigo poderiam não mais ver"; de facto a muitas coisas aqui que faze-nos levar a uma queda sem subida antes, mas nada acontece por acontecer, e se o presente hoje mudou assim tanto lembra-te que não é para o mal que isso aconteceu.
    Mais uma vez está lindissimo, adorei! Nunca percas este teu dom de escrever.

    Beijinhos,
    Bia.
    P.S: adoraria que lesses o meu novo texto e desses a tua opinião (; e, de nada, acompanhar-te a um ano, fez-me bem, acredita!!

    ResponderEliminar
  27. Gostei do seu blog, o ais legal é que são feitos com seus próprios textos né?
    http://maniasgirls.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  28. Olá Paulo, boas palavras!
    " ..Apalpar em tudo e não saber de nada..."
    Ninguém sabe o real sentido da vida!
    http://omundodetodosemnossosolhos.blogspot.com/
    De uma passadinha, e comente!
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  29. Sabes, Paulo?

    Hoje, roubei um bocadinho de sol ao sol para te dar.
    Aquce-te/nos a alma e o corpo.
    Temos sentido frio, de manhã e à noite, a qualquer hora.

    Beijo meu, inevitavelmente, teu.

    ResponderEliminar
  30. Olá Paulo,
    Gostava muito de poder partilhar os teus textos na minha página do facebook,no entanto não o fiz sem a tua permissão...Se concordares passarei a fazê-lo oportunamente.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  31. Realmente, é uma sensação horrível. E, muitas vezes a vida nos prega muitas peças desse tipo.

    ResponderEliminar
  32. Olá :) A minha ausência deveu-se à TESE =/ mas já está quase no fim.
    Gostei muito do que disseste neste texto..especialmente da parte em que falar que até a alma se pode camuflar. Tão bonito mesmo..

    Beijinho **

    ResponderEliminar
  33. muito bom!! e realmente é horrível estarmos em um lugar desconectado de nós, estar em um lugar sem pertencer a ele

    ResponderEliminar
  34. Olá meu querido companheiro Paulo,
    É inevitável, mas quase me fizeste chorar, sim, tu tens razão em algumas coisas que dizes.
    No entanto há palavras que conhecia, outras não, sim admito, mas tenho gostado de conhecer, ler e aprender novas palavras, admito que tenho feito muito isso, tenho lido palavras novas no dicionario, sinonimos e isso tem me agradado, aprender coisas novas, agrada-me sempre! Faz-me bem!*
    Há muitas pessoas no meu espaço que de facto não leem...apenas marcam presença, mas há pessoas como tu que leem, mas de facto tu és dos meus leitores predilectos, tu sabes, agradeço-te por tudo e por toda a frontalidade que me faz sempre crescer...

    Dei por concluído que não gostaste do texto, apesar de a tua leitura não ter acabado, mas tudo bem, as criticas fazem-nos crescer, e agradeço-te a tua, apesar de me ter custado, fez-me bem...
    OBRIGADA POR TUDO!

    Beijinhos do fundo da alma,
    Pensando com Arte.

    ResponderEliminar
  35. não te preocupes querido :)

    ResponderEliminar
  36. " Nós, peões de um jogo onde o tabuleiro era ameaçado, fomos levados, ainda hoje não sei bem, para e, por onde"...
    Curioso Pensador, Maria tem alguns textos, contos, em que também ela menciona um tabuleiro de xadrez, onde somos peças...
    A vida é muito estranha, e nós aqueles que dela fazem parte, aqui neste mundo das palavras, ainda assim conseguimos sempre ver com um outro olhar, um outro sentir...pelo menos assim sinto, pelo menos assim espero...

    Beijo da ("tia"), n´oteudoceolhar...(espero ter arrancado um sorriso)...

    ResponderEliminar
  37. Being a shy person. I can relate to the first line.

    ResponderEliminar
  38. porque dizes isso, paulo ?

    ResponderEliminar
  39. comentei como anónimo sem querer :o
    fui eu que falei *

    ResponderEliminar
  40. oh paulo, é como nos apetecer muito comer chocolate e, quando o compramos, não apetecer comer. não sei se me entendes...
    quando sentia que faltava algo que me preenchia, eu decidia criar um blogue para ver se palavras davam volume ao espaço vazio do meu coração mas, cada vez que criava um, não lhe dava continuidade. não tinha algo que me fizesse continuar com ele até que chegou um dia em que decidi criar um em que lhe desse continuidade, que lhe desse carinho e que ao lhe dar, mo fosse retribuído também de uma forma que agora não sei explicar. por vezes, apetece-me largá-lo por não saber com que objectivo o tenho, como textos por aí começados que escrevi que, ao doer tanto, não os terminei e acabei por eliminá-los mas LEMBRO-ME do carinho que ele me deu e do carinho que ele precisa de mim. acho que o blogue é um preenchimento de não sei o quê.

    ResponderEliminar
  41. pensares que é impossível só o torna mais impossível. os sonhos concretizam-se, sabias ?

    ResponderEliminar
  42. ...não tem que agradecer Pensador.
    Quem agradece sou eu (que gafe, de erro)...
    A cabeça ainda não aterrou ...
    Beijo*

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *