Passadeiras

16:08

Não tenho por hábito atravessar nas passadeiras enquanto os carros estão parados por trás. Sinto-me incomodado porque os motores parecem rugir-me e, eu, pareço conseguir ouvir as mentes daquela gente a gritar-me “mexe-te depressa, miúdo!”. E é por essas impressões que os meus pés costumam falhar como se tivesse colocado o pé num desnível da calçada. Sempre que não tenho hipóteses e sou obrigado a passar na passadeira, com os carros a fitar-me com desdém, tento dar os passos maiores e mais rápidos que consigo. Tudo para sair dali pois gosto de ter tudo, ou quase tudo, sob controlo. É mania minha cronometrar mentalmente os segundos que levam os automóveis a fazer a curva e a aproximar-se da passadeira que eu tenho de passar em instantes, só para que não me cruze com eles. Impossível quase sempre e o mais certo era ouvi-los apitar ou a passarem-me rente às pernas esfomeados por uma boa pancada. E na vida tudo são estradas e caminhos. As passadeiras, normalmente, são os lugares mais seguros por onde devemos passar, no entanto existem atalhos recomendados e outros nem tanto. O perigo é doce e, por vezes, apetecível e como uma passadeira, há que saber olhar bem em volta antes de atravessar.



You Might Also Like

46 comentários

  1. Nem sempre os caminhos são flores. E como todos, eu penso, existem pedras, é preciso ter cuidado para não tropeçar. A vida é cheia de obstáculos que muitas vezes nos atingem, por não olharmos bem antes de seguir em frente.

    Beijos meu anjo *-*

    ResponderEliminar
  2. este texto diz tudo, paulo! a vida é um risco e nem sempre o lado seguro é aquele que devemos seguir. o perigo é realmente apetecivel e talvez por isso, muitos preferem esse lado tão apetecido. és tão bom escritor e dás vida às palavras, sempre to disse - por outras palavras, mas disse. continua assim e terei todo o prazer, de comprar todos os livros que irás fazer <3

    ResponderEliminar
  3. Tens razão no que dizes.
    Gostei muito :)

    ResponderEliminar
  4. Essa foi uma boa analogia de uma situação do cotidiano e do curso da vida.
    mto bom!

    ResponderEliminar
  5. I love the idea of something dangerous yet sweet.

    ResponderEliminar
  6. Linda as passagens e seus trechos escritos. Mas o medo agora não é mais doce, ele tá sem gosto e isso me incomoda.

    O blog tá atualizado e com conto novo (depois de muito tempo rs).

    ResponderEliminar
  7. Olá querido!
    Bem, adorei o teu comentario no meu blog, e sim, irei seguir os teus conselhos, tens toda a razão e desta vez foi mesmo engano meu (; obrigada por estares sempre lá eih! (:

    Desejo a ti também um feliz natal, *.*

    Sobre o teu texto tenho a dizer que ainda me estou a perguntar como te surgiu a ideia de fazer um texto sobre as passadeiras, mas digo que cada vez que o leio mais uma vez me volta a cativar, porque acabaste por fazer das passadeiras uma passagem para a vida, uma passagem muito especial, talvez perigosa, mas real*
    Gostei imenso!

    Beijinhos, querido*

    ResponderEliminar
  8. como eu te compreendo, parece que está no centro do mundo e toda a gente a observar-te, que nervos que isso me dá,

    ResponderEliminar
  9. MEXE-TE DEPRESSA, MIÚDO, porque ainda não me enviaste a carta, a resposta.
    A CARTA? O que virá ai, o que estará na forja?
    Eu sei, que tens mais que fazer, mas também sei que, embora os meus textos não te digam muito, te digam quase nada (afirmado por ti), voltas, sempre "AO LOCAL DO CRIME" (eu sei que é uma questão de boa educação e de... não encontro a palavra).

    QUANTO ÀS TUAS PASSAGENS OU NÃO, FALAREMOS DEPOIS.

    Mas, às vezes, apetece-te desafiar o perigo, não é? Cuidado. É doce, mas...

    Abraço com braços e sol meu e de Lisboa.

    ResponderEliminar
  10. gostei tanto da forma como passaste da introdução com um exemplo da vida real para um comparação com a vida em si... um texto lindo!

    ResponderEliminar
  11. Uau, adorei isto, mesmo, mesmo. Escreves lindamente, fico encantada <3

    ResponderEliminar
  12. mesmo, beijinho para ti também rapaz!

    ResponderEliminar
  13. Sempre teremos o hábito de querer atravessar rapidamente para o outro lado desta nossa estrada e nem sempre vamos encontrar uma passadeira suficientemente perto, mas isso não nos impedirá de avançar..

    ResponderEliminar
  14. torna-se engraçada a maneira como me identifico com este post.
    também não sei se é paroina minha, ou se nem por isso , mas a verdade é que tento passar na passadeira sempre que os carros não estam lá, talvez por me sentir menos observada, ou até porque não gosto sequer de pensar o que os condutores estaram a dizer, é mesmo incomodativo!
    e pronto, cá está mais um post magnifico :)

    ResponderEliminar
  15. torna-se engraçada a maneira como me identifico com este post.
    também não sei se é paroina minha, ou se nem por isso , mas a verdade é que tento passar na passadeira sempre que os carros não estam lá, talvez por me sentir menos observada, ou até porque não gosto sequer de pensar o que os condutores estaram a dizer, é mesmo incomodativo!
    e pronto, cá está mais um post magnifico :)

    ResponderEliminar
  16. torna-se engraçada a maneira como me identifico com este post.
    também não sei se é paroina minha, ou se nem por isso , mas a verdade é que tento passar na passadeira sempre que os carros não estam lá, talvez por me sentir menos observada, ou até porque não gosto sequer de pensar o que os condutores estaram a dizer, é mesmo incomodativo!
    e pronto, cá está mais um post magnifico :)

    ResponderEliminar
  17. Mais importante, porém, é viver o perigo às vezes, tentando perceber o prazer de um momento diferente! Adorei, como sempre!

    ResponderEliminar
  18. Olá Paulo, estou conhecendo seu blog. Lhe desejo um Feliz e Santo Natal e prosperidade em 2012. Convido-te a visitar e, se considerar conveniente, também seguir, a minha Janela. Um abraço! http://professorgadomski.blogspot.com

    ResponderEliminar
  19. Olá Paulo zx já não vinha aqui algum tempo :)

    em relação ao texto, à uns anos atrás não liga muito às passadeiras até um dia em que tive um susto enorme (ia quase sendo atropelada, o carro apenas bateu em mim)

    agora, diariamente, tem super atenção a elas.

    ResponderEliminar
  20. oh que grande grande verdade! eu também me sinto assim, exatamente igual, quando ando na rua. e pegando nessa metáfora... na vida temos sempre a mania de passar nas passadeiras mais perigosas. são sustos desnecessários, por vezes.

    ResponderEliminar
  21. E ainda bem! *.*
    sabes... nunca tinha pensado desta maneira, mas realmente é verdade. é por isto que gosto tanto de te ler :)

    ResponderEliminar
  22. é bom saber que confias e podes confiar em mim e nas minhas palavras. estou sempre contigo, mesmo *.*

    ResponderEliminar
  23. fantástico. sabes dar uso às palavras, e dar sentido a muitas coisas.
    os caminhos são sempre difíceis, até nos lugares onde achamos mais protegidos, são até sempre os mais perigosos!

    ResponderEliminar
  24. senão a gente acaba estupricado, atropelado, arrependido de não ter olhado bem.

    ResponderEliminar
  25. mas também pode estar a enganar-se a si próprio, não pode? é que toda a gente me diz isso e não pensa que pode ser uma decisão da qual ele mais tarde se vai arrepender e pensar que não era o melhor. talvez o melhor na altura, mas não o melhor "para sempre".

    ResponderEliminar
  26. Os caminhos com mais percalços são os que no fim, depois de serem ultrapassados, tem mais sabor a vitória!

    Gosto muito da maneira como escreves :)

    ResponderEliminar
  27. Tudo nessa vida é relativo, até sentir-se "seguro".

    Meu querido Paulo, caso não "nos falemos" antes, deixo aqui meu beijo carinhoso e meu abraço apertadinho com desejo de um lindo Natal pra ti e pra todos que te são importantes.

    =)

    ResponderEliminar
  28. Olá Paulo,
    boa noite meu querido,

    As vezes tentamos expressas nas palavras o nosso sentimento, mtas vezes é difícil. Mas vejo que vc não tem essa dificuldade. Sempre escreve mto bem.

    beijos
    Suely

    ResponderEliminar
  29. um grande obrigada Paulo! beijos

    ResponderEliminar
  30. uaaaaau, mas que verdade. mais que um texto, uma lição de vida. adorei!

    ResponderEliminar
  31. Olá, parabéns pelo seu blog.
    Te convido a conhecer o meu,
    http://carmasepalavras.blogspot.com/

    ;)

    ResponderEliminar
  32. ORA MUITO BOA TARDE,

    É assim, que tu começas, às vezes, os teus comentários.
    Pareces, que estás entrando em casa e saudando as pessoas. És incrível! Eu gosto muito dos teus textos, ao contrário do que tu sentes pelos meus, e, por absurdo que pareça gosto de ti e da tua afirmada personalidade, e depois tens bom gosto e sabes distinguir o trigo do joio. RAÇA DO MIÚDO!
    O teu texto tem duas partes distintas: uma tem a ver com a tua pouca simpatia e pouco à vontade com as passadeiras e a outra, um tanto já metafórica.
    Pois é, a vida tem estradas, mas os atalhos, às vezes são apelativos e lá vais tu e lá vou eu.
    É preciso parar no sinal vermelho.

    OLHA REPAREI, AGORA, QUE O MEU CORAÇÃO jÁ SE PERDEU NO TEU... PAINEL. JÁ NÃO ME VÊS, PRONTO. QUE ALÍVIO!

    Se eu der algum errozinho ortográfico e não só, imagina, que confundo faces com fases, avisa-me, chama-me a atenção, por favor.

    Que o calor das palavras nos aqueçam.

    ResponderEliminar
  33. E eu a pensar que era a unica que detestava passar em passadeiras enquanto os carros parados esperam que eu passe para poderem continuar o seu caminho. :s

    Os perigos existem a tudo lado e ainda bem que assim o é. São eles que nos ensinam qual o melhor caminho. :)

    ResponderEliminar
  34. A vida tem dessas cara, Cabe à nós assimilar isso e crescer.

    F. Otávio M. Silva
    http://www.surfistadebanzeiro.com/

    ResponderEliminar
  35. Passadeiras ! Um dos meus pesadelos , também ! A vida é mesmo um risco . Existem mínimos detalhes que pensamos ser inofensivos, mas que no final se tornam um "Adeus Mundo" . Adorei, mais uma vez **

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *