Tempo Acabado

08:39

Naveguei em todas as recordações que tínhamos em conjunto. Demorei-me nas mais belas memórias e acomodei-me nas árduas lutas que foram travadas. Todas as conquistas pareceram insignificantes peças de um puzzle difícil de acabar. Mas ali estávamos nós de novo, sentados no sofá embrulhados em conversas delinquentes de um passado que partilhámos em conjunto. Os sorrisos eram o nosso aquecimento pois o seu corpo ia ficando cada vez mais gelado com o passar do vento pelas cortinas. Brevemente a sua mão deixou de envolver a minha. Manteve-se hirta no meu joelho, porém não se mexia. O sangue parecia ter deixado de se apresentar na face que empalidecera gradualmente. Os lábios secaram-se-lhe e os olhos desviaram-se lentamente do meu olhar para se esconderem nas suas pálpebras. O processo foi lento mas demorado. A dor estava a preencher-me onde outrora estiveram sorrisos e não consegui sequer pensar em mexer algum músculo. Um  suspiro, foi a última coisa que ouvi. Depois só me restou contemplar o sonho, com quem tinha tido a melhor experiência da minha vida, desaparecer diante os meus olhos. E assim permaneceram as recordações, a força e a esperança para o encontro de uma nova luta, de uma nova conquista e de um novo sonho.


You Might Also Like

44 comentários

  1. um obrigada sincero, e olha, adoro as tuas palavras.

    ResponderEliminar
  2. "Todas as conquistas pareceram insignificantes peças de um puzzle difícil de acabar." A lutas irão sempre ser uma constante na tua vida, as lutas irão te acompanhar para todo o sempre e nunca te esqueças que por mais que faças, por mais que lutes irá sempre faltar algo, aquele algo que deixas para fazer no dia seguinte. Acordas e a vida começa de novo, novos sonhos, novos projectos, novos caminhos. Somos e seremos sempre um puzzle inacabado, uns mais perfeitos, outros imperfeitos. Mas uma coisa te digo há e haverá sempre as peças que se encaixam na tua história e acredito que um dia estará lá a tua, aquela que irá dar muito mais sentido a um conto, o teu conto que escreves com as tuas vontades e contigo mesmo, sem mascaras, sem barreiras. Muito bom Paulo um Abraço :)

    ResponderEliminar
  3. « demorei-me nas mais belas memórias e acomodei-me nas árduas lutas que foram travadas » não é, de facto, o que sempre fazemos ? chama-se a isso saudade e chama-se a isso força. saudade porque nos lembramos sempre do passado e força por ultrapassarmos o que nos magoa vindo de pessoas de que tanto gostamos.
    e olha: « os sorrisos eram o nosso aquecimento pois o seu corpo ia ficando cada vez mais gelado com o passar do vento pelas cortinas. » espero que as sorrisos te voltem a aquecer um dia :)

    ResponderEliminar
  4. Meu pensamento foi longe, num momento no tempo passado em que não pude me despedir... já a fiz mentalmente, mas parece que só agora, com seu post, sinto que o coração ficou mais leve... obrigado!

    ResponderEliminar
  5. Muito obrigada <3
    Sabes, eu também acho, com um amor desses porque não partilhá-lo com quem mais amamos? Mas quem eu amo magoou e muito.

    ResponderEliminar
  6. Exato , as vezes damos muito de nós , desperdiçamos as nossas forças com pessoas que no fundo nao merecem a entrega que lhes damos /x
    A tua maneira de escrever, de pensar apaixona-me, inspira-me * obrigada

    ResponderEliminar
  7. Não te esqueças que num puzzel todas as peças encaixam, por vezes é só preciso um pouco de tempo e paciência. Adorei o texto :)

    ResponderEliminar
  8. sinceramente já não sei mais o que pensar, tento dizer a mim mesma que tudo ficará bem, mas a realidade é que há coisas que já não suporto mesmo, minto a mim e aos outros, digo que estou forte, e na realidade não passo de uma adolescente frágil e magoada...

    ResponderEliminar
  9. Engavetar-se nas memórias e começar quem sabe, de novo. Você escreve muito bem, continue, sempre!

    ResponderEliminar
  10. não são bem uma perdição para mim, ando é com dificuldade em encontrar sapatilhas que goste xD

    ResponderEliminar
  11. adoro o modo como escreves, és fantástico :)
    já estou a seguir

    ResponderEliminar
  12. obrigado querido :) foi só um não dia, já estou bem :)

    ResponderEliminar
  13. Oh, como me senti bem ao ler esse teu comentário, esse teu mimo.
    Muito obrigada <3

    ResponderEliminar
  14. Muito obrigada pelo gosto (;
    Tens de me dizero que fazes para conseguir escrever assim tão bem Paulo. Juro que isto está FENOMENAL !

    ResponderEliminar
  15. Texto lindo mesmo *.*
    "Depois só me restou contemplar o sonho, com quem tinha tido a melhor experiência da minha vida, desaparecer diante os meus olhos." Ás vezes os nossos maiores sonhos, e as nossas maiores felicidades fogem-nos por entre os dedos e deixam-nos assim, imóveis a contemplar o seu desaparecimento, e sempre na esperança de voltarmos a tê-los junto a nós.
    Nunca Desistas, Força*

    ResponderEliminar
  16. Obrigada, e ainda bem que consegui encaixar-me no teu ponto de vista e dar a minha opinião correctamente :)
    Pessoa tinha toda a razão, tentamos sempre procurar a perfeição, porque ela não existe. Se existissem muitos seres perfeitos, esta seria banalizada... A perfeição, está dentro de cada um de nós, à nossa maneira :)

    ResponderEliminar
  17. fui meramente sincera :) beijinhos <3

    ResponderEliminar
  18. Oh és sim e escreves muito bem :)

    ResponderEliminar
  19. eu mandar, até podia mandar, mas duvido que fossem o teu número xb

    ResponderEliminar
  20. "Todas as conquistas pareceram insignificantes peças de um puzzle difícil de acabar. Mas ali estávamos nós de novo, sentados no sofá embrulhados em conversas delinquentes de um passado que partilhámos em conjunto." Às veze so puzzle não encaixa.

    ResponderEliminar
  21. o problema é as dores aumentarem dia após dia, e com elas a distancia e a mudança, torna-se mesmo insopurtavel s:

    obrigada por tudo querido ♥

    ResponderEliminar
  22. Paulo, meu querido, estou com um problema : sinto dificuldades em comentar teus textos sem me tornar repetitiva, sem dizer que as tuas linhas tomam um rumo, iniciam um processo tal de agigantamento que acabam atravessando a tela e costurando recordações e experiências minhas às tuas, de forma que eu me sinta, nelas, nua e traduzida.

    O que mais dizer desse texto que não forma mais bela de metáfora da morte que já li?

    Enfim, as palavras me fogem.

    Tu me emociona.

    Um beijo carinhoso.

    ResponderEliminar
  23. É muito triste quando as coisas se vão e não temos tempo de nos despedi ou saber o porque e o que fazer. Na verdade, é melhor que elas se vão.
    Lindas palavras, eu adoro ler.
    Beijos querido!

    ResponderEliminar
  24. Olá meu querido!!!

    Passei para desejar um domingo cheio da graça e do amor de Deus.

    Ele te ama e planos específicos Ele tem pra você.

    beijos
    Suely

    ResponderEliminar
  25. o fim é como uma paragem no coração...depois só nos resta encontrar forças para que ele continue a bater, ainda que lentamente

    ResponderEliminar
  26. acho que não, mas tu podes ter um pé muito grande :D

    ResponderEliminar
  27. Pois é... É numa rotina que devemos tentar marcar a diferença perante os outros :)

    ResponderEliminar
  28. Eu sei que me achas simpática :C

    ResponderEliminar
  29. Conhecendo agora teu espaço. Massa por aqui.

    ResponderEliminar
  30. Felizmente, podemos recomeçar, independente do caminho. O desmoronar de um sonho é triste. O afastamento, lento e doloroso, para quem ainda deseja manter o que está a perder.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  31. Sim, isso também é uma verdade... na maior parte das vezes nem perante nós próprios conseguimos marcar a diferença... mas é isso que temos de mudar :)

    ResponderEliminar
  32. A inércia que dói e o silêncio que machuca...

    ResponderEliminar

« A única pessoa que nunca comete erros é aquela que nunca faz nada. »

Obrigado pela visita *